Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma dESarrumada

Diário de uma dESarrumada

21
Fev20

Antónios há muitos #2

Muitos queriam saber como correu o date com o António. Então vou contar! Ele é 50% italiano, e eu confirmei em primeira mão que o mito do italiano engatatão e bom amante é real. 

 

Estive quase para fazer um post de TindAdvisor, mas como não conheci o moço através do Tinder, não vai dar para fazer isso. Vou só contar como foi num post normal. Espero que gostem, eu gostei, muito. 

 

Então foi assim, desde que nos encontrámos no restaurante chinês o moço ligou-me uma vez para marcarmos encontro num café ali da zona. Chegámos lá e ficámos na esplanada, daquelas aquecidas com um daqueles coisos que deitam chamas e que quase que uma pessoa fica ali com os coiratos todos tostados. Pedimos 2 cidras e um guacamole. Comemos aquela merda enquanto o gajo me olhava nos olhos e dizia cenas do género "és tão linda, sinto uma atração enorme por ti" e nisto ia mexendo nos meus cabelos e fazia festinhas na cara e tudo. Quase que podia ter sido lindo e maravilhoso, excepto que ele só falava da pila dele, e do quanto ela era grande e fodilhona.

 

Ligou-me todos os dias depois desse date, por volta da meia noite e meia, para me dizer o quanto se sentia atraído por mim e o quanto o bráulio dele era enorme.

 

Ainda tentei manter um bocado de dignidade e seriedade na conversa, mas quando ele me ligou a dizer "não te posso prometer nada de duradouro ou sério, mas posso prometer-te um serão extremamente agradável".

 

Não aguentei mais. 

 

Quando dei por ela estava em casa dele, de joelhos, a lamber-lhe os colhões enquanto ele me dava chapadas na cara e me chamava de puta e cadela submissa. 

 

Desarrumados da minha vida! Tenho a dizer-vos que foi das melhores quecas da minha vida. Top 10 das fodas mais bem dadas de sempre.

 

E sim, ele tinha um salsichão grande e sabia usá-lo, houve ali um momento em que ele me pegou pelas pernas, com os pés nos ombros dele, e deitou-se em cima de mim, ele meteu aquilo tudo lá dentro de uma vez e até vi estrelas. Juro. Mas que soube bem, lá isso soube! 

 

Estar de quatro, a levar com ele, enquanto me puxava os cabelos com força, no  estúdio minúsculo de um gajo quase-italiano em Paris, foi algo que nunca imaginei acontecer. 

 

No dia seguinte bloqueei-o no whatsapp e não voltámos a falar... Apesar de ele morar a 5 minutos do meu trabalho e até poder dar jeito ter uma boa queca debaixo de olho para possíveis emergências, prefiro continuar na minha busca por algo sério. E manter este momento como uma boa lembrança, um dos melhores comboios de orgasmos que tive desde que estou em Paris. Depois do motoqueiro... Shame on me, nunca contei a história do motoqueiro 🤦🏻‍♀️

 

Isto foi só um "acidente" de percurso, do qual não me arrependo nada by the way. É vocês, contem lá como foi a vossa melhor queca dos últimos tempos?

 

"Quecas no meu caminho? Guardo todas, um dia vou construir um bordel."

 

Beijo na bunda, da vossa sempre dESarrumada 💋🍑

 

04
Fev20

Lixo everywhere.

Ouvi dizer que os senhores que recolhem o lixo aqui em Paris estão em greve... Isso pode explicar porque é que tenho mais a impressão de estar num país como a Índia do que na Europa. Quase que não conseguia entrar no prédio onde moro com tantos sacos pretos, mal cheirosos e a escorrer molho, a bloquear a porta da entrada. 

27
Jan20

Um abre-olhos: o teste do Rosé!

Depois deste encontro falhado na passagem de ano... só voltei a ver o Half-French mais uma vez. Perto de minha casa porque ainda havia greve e eu ainda não sou nenhuma maluquinha das trotinettes - ainda! um dia meto-me numa e nunca mais me apanham, é ver-me por aí a dar à perna por Paris a fora!...

 

Ele chegou, 2 horas atrasado, em frente ao meu prédio (só avisou à última da hora como de costume), "desce" foi a mensagem dele. Fomos jantar ao restaurante que fica literalmente do outro lado da rua, passo lá todos os dias e quando vejo alguém a comer alquele hamburguerzão com guacamole até salivo... "olha vou pedir o hamburguer, e tu?" - perguntei. "Eu estou com vontade de uma tábua de enchidos para dois, não queres?" ... "não, para mim isso não é jantar, preciso de algo que encha mais...".... "ai, tu vens lá com aqueles hábitos de Portugal de quem come dois porcos inteiros ao jantar, come a tábua comigo, vais ver que enche"...

 

Aceitei o raio da tábua. Mas já estava a ver o meu futuro a andar para trás... já vão perceber...

 

"E vinho queres?" - perguntou.

 

"Não quero alcóol, estava mais numa de Coca-cola" - disse. Sim, sou Coca-cola addict, não julguem.

 

"Bebe uma garrafa de vinho comigo, que vinho preferes, queres tinto?" (rouge em francês)

 

"Epah... se tiver que escolher um vinho, prefiro ou branco ou rosé, mas tinto não" - ele aquiesceu.

 

Estávamos na conversa , ainda sobre os hábitos alimentares de Portugal e de como ele acha que quanto mais um país dá importância à quantidade de comida em vez da qualidade, mais pobre esse país é... (sim, ele é filho de portugueses e, diz gostar de Portugal, mas não perde uma oportunidade para mandar Portugal abaixo e dizer que a França é que é requinte, classe, boa educação, etc).

Chega o garçon.

Ele pede a tábua de enchidos. "E para beber?"

"Uma garrafa de tinto se faz favor"

...

...

...

...

...

Comecei a imaginar-me dali a 3 anos numa relação de submissão com este rapaz. Em que ele vai decidir tudo, o meu futuro profisisonal, quantos filhos vamos ter, a cor das minhas cuecas (é de notar que no primeiro date ele me disse que DEVIA usar batom mais escuro para combinar melhor com o meu cabelo escuro - de notar que nesse dia tinha metido o meu batom cor de rosa clarinho da Clinique, que custou nada menos que 32€, e ele ali a pedir-me para trocar de batom - FUCK!)

 

Estava eu a pensar nisto... quando o garçon chega com a garrafa de Rouge e pergunta se eu quero provar... respondi que não, que o Monsieur podia provar. Quando o garçon foi embora o Half ainda mandou para o ar "sabes que é a mulher que prova o vinho não sabes?". "sei, mas tu também sabias que não queria tinto e pediste na mesma". Ele não respondeu, mudou de assunto.

 

Nesse momento decidi que não estava ali o homem da minha vida. E que já o devia ter percebido desde o primeiro encontro. Mas gosto de ver até onde vai o ser humano, e sou pessoa de dar segundas oportunidades... Desta vez dei, mas ele não merecia.

 

Acabámos a noite no meu quarto, e foi muito bom. Mas eu sabia que ia ser a nossa última queca e por isso aproveitei ao máximo. Gosto quando sei que não vou voltar a ver o gajo. Normalmente já sou desinibida, mas quando sei que não é para ser sério, atrevo-me mais a fazer pedidos estranhos. No final "não tens aí nada que se coma? estou cheio de fome"... "eu avisei que a tábua não enchia!" - dei-lhe um iogurte que ele comeu logo...

 

Na manhã seguinte eu tinha que ir trabalhar, ele ficou a dormir lá em casa. "Quando nos voltamos a ver?" perguntou. Eu respondi "sábado às 15h para dar uma voltinha no parque de Belleville?".

 

"Ah, ainda não sei, depois digo algo..." - este moço é incapaz de assumir um compromisso com antecedência. É sempre tudo à última da hora. Não suporto, e não mostra empenho nenhum.

 

Sexta à noite e ele ainda sem confirmar nada. Recebo mensagem às 22h da noite "olha estou a beber uns copos com um amigo na tua zona, se não acabar muito tarde posso ir aí ter contigo?"

 

PFFFFFFF.... É que nem que ele tivesse pintado de ouro eu ia aceitar ser uma booty call! Never! Nunca! Jamé!

 

"Olha desculpa mas estou cansada e tenho a minha meditação para fazer... vemo-nos amanhã às 15h em Belleville?"... Silêncio... nem uma resposta.

 

No dia seguinte fui à minha aula de Yoga, que é ao lado do parque de Belleville... o Yoga acabou às 14h30. Fui passear no parque, plena, serena, tranquila. Estava um céu azul espectacular, mas frio com'ós cornos. Às 15h10 mandei mensagem "morreste?"

 

Continuei o meu passeio, depois voltei para casa. As 16h23 recebo mensagem: "sim, morri, ontem bebi demais e só acordei agora."

 

"d'accord" respondi.

 

Até terça não recebi mais nada dele. Depois, nessa noite, perguntou quando nos voltávamos a ver... respondi que tinha pensado muito e que não queria voltar a vê-lo... "desejo-te uma boa continuação", terminei assim a mensagem que lhe mandei.

 

A resposta dele "ah então és assim? quando as coisas não correm como queres, desistes de tudo? por um lado talvez não seja má ideia ficarmos por aqui, vê-se que és o tipo de mulher que cria conflitos por tudo e por nada"...

 

Não respondi.

 

...

...

...

...

...

 

Bendito Rosé! Va de retro Satanás!

 

Este gajo é tóxico! E estou feliz e contente de me ter apercebido a tempo! E foi assim que acabou esta história do Half-french, um gajo que tem claramente problemas de auto-estima e que é, muito provavelmente, um narcissista, como o meu EX.

 

Obrigada a todos que, por aqui ou pelo Instagram, ou Whatsapp, me ajudaram a abrir os olhos! Apaguei as apps todas. Estou em fase de detox, a pensar só em mim. E que bem que tenho estado 

 

Beijo na bunda! 

28
Dez19

Joyeux Noël.

O título deste post foi exactamente a mensagem que recebi do Half-french no dia 25 de manhã... Eu pensava que estava tudo morto entre nós devido à discussão parva que tivemos antes de eu vir embora de férias... Afinal a coisa ainda mexe. 

 

Hoje enviou mensagem a perguntar quando volto para França e quando podíamos ver-nos... Respondi que voltava no domingo e que estava disponível na segunda-feira.

 

Não sei se faço bem em manter contacto com este moço... Ele por mensagens é mais frio do que esta temperatura de gelar os cornos que se faz sentir aqui na Serra... Mas durante o tempo de pausa em que não falámos decidi que, se por acaso ele voltasse, ia incluí-lo como VIP-guest na lista de One Night Stands de Paris que criei mentalmente.

 

Já tenho uns quantos na calha para o meu regresso. Este moço não foi o único a enviar-me aquele "Joyeux Noël" maroto, que é como quem diz "não quero nada sério que justifique uma mensagem de Feliz Natal com cabeça, tronco e membros, mas decidi enviar qualquer coisa só para que saibas que a minha pila continua disponível"...

 

Universo, já percebi a mensagem. Só andas a meter gajos que não prestam no meu caminho... Mas, meditei muito durante as férias, e cheguei à conclusão de que uma parte de mim, talvez aqueles 70% que são constituídos por água, tem medo e não se sente pronta para uma relação... Daí só estar a encontrar estronços pela frente. E por trás. E pelos lados. É como calha. 

 

Ora... Temos pena... Estou outra vez com vontade de dar umas curvas... E a minha última (que foi a primeira) com o Half-french, soube-me a pouco... Confesso, quero provar mais daquele half-saucisson/half-chouriço

25
Out19

2. Estúdio.

No estúdio onde moro tenho exactamente 7 móveis (dos quais constam 2 cadeiras de plástico do IKEA), 4 prateleiras num dos muros, que estão cheias de livros, um lavatório com um armário encastrado em baixo, que decidi não considerar como móvel por fazer parte do muro, onde cabem os meus produtos todos de beleza e higiene pessoal. Num dos cantos, uma cabine de duche AKA poliban.

 

Dentro da parte inclinada, está o que parece uma mini despensa separada com portas de correr, mas onde nem consigo entrar de pé... Nesse espaço tenho três caixas de arrumação de plástico, daquelas para os brinquedos das crianças, onde cabe, literalmente, a minha roupa toda. E mais 3 mini prateleiras no muro interio, onde consegui colocar algumas toalhas, as minhas meias e restante roupa interior, em caixinhas. Tenho outra caixa com produtos de limpeza que trouxe da casa antiga... Demasiados para aqui. Neste sítio a limpeza faz-se em 15 minutos. Sim, já contei. 

 

Tenho um mini-espaço para cozinhar, com um mini lava-louça, daqueles que fica cheio com um prato e um copo. Ao lado, duas placas para cozinhar. Por acaso aquilo aquece rápido e até vou conseguindo cozinhar qualquer coisa de jeito ali. É o que me safa. Mas isso começou há cerca de duas semanas, os primeiros 4 meses aqui, alimentava-me de pratos preparados, e encomendava muito em aplicações. Mas isso não é vida... Começou a custar-me ver tanto dinheirinho a voar assim... Já não bastava o outro que gasto com o chocolate. 

 

Num cantinho do chão, vou metendo os legumes que compro e que não cabem no frigorífico, que como podes imaginar, é daqueles tipo frigorífico de hotel, com 1 mini congelador em que a porta nem fecha bem e acaba por ficar geio de gelo em 2 tempos, depois já não cabe lá mais nada, e tenho que descongelar. Um ciclo sem fim... Uma vez por mês lá estou eu, de rabo para o ar, a secar a água que caiu para o chão durante o descongelamento. Esse frigorífico tem, mais duas prateleiras de fresco, uma gaveta em baixo, supostamente para legumes, mas onde só cabem 2 courgettes e 3 tomates de cada vez, e na porta, uma prateleira para ovos, mais precisamente, seis. 

 

O estúdio tem uma porta, e única, a da entrada. E de saída. Uma janela estilo Velux na parte inclinada do tecto, daquelas com vista para os telhados de Paris, que fica mesmo por cima do sofá-cama, oferecendo-me, em dias de chuva, o melhor ASMR para dormir que podia ter pedido.

 

A outra janela, proporciona-me uma vista para o "local" do lixo do prédio e é onde consigo avistar, ao longe, a torre de Montparnasse, com a sua luzinha azul sempre no pisca-pisca.

 

Estou aqui deitada no sofá-cama a escrever-te isto. E à espera que os dois aquecimentos eléctricos minúsculos aqueçam a divisão. Sim, moro numa única divisão. Agora, a minha vida toda cabe em 12m2. E ainda falta destralhar muita coisa. Quem diria. 

 

A casa de banho? Essa fica no corredor. Num cubículo minúsculo, onde só vou para fazer xixi e cocó. Que partilho com mais 4 estúdios como o meu. Creio que os outros sejam estudantes, porque nunca estão cá ao fim de semana. Aliás, nunca estão cá, ponto. Tenho o sexto andar, e meio!, só para mim. Nunca pensei viver num meio andar... 50% de um andar, no topo de um prédio, em Paris... Well, podia ser pior. Ao menos tem elevador. 

 

Já te disse que vendi o meu carro? A minha caixinha de fósforos que tanto me levou para sítios? Vou só ali dormir um bocadinho, amanhã já te conto mais sobre isto. 

 

08
Out19

Meditações... e outras divagações.

Por vezes dou por mim a ver o tempo passar. Aliás, eu nem o vejo, ele passa por mim sem eu dar conta... qual trotinette desvairada que serpenteia pelos passeios de Paris.

 

Quando vou por elam já não sei em que mês estou, a quantas ando... já não sei para onde foi o Verão, e como assim... já é quase Natal? Ia apostar que ouvi um esboço de uma música de Natal ali numa loja para os lados de Montmartre. Mas deve ter sido só imaginação minha.

 

Talvez isto seja uma depressão sazonal... talvez me esteja a aperceber que só sou feliz quando está sol. Como em todos os outros 27 anos de vida... Neste vigésimo oitavo outono, não podia ser diferente. Nas ci em África, num país onde estava sempre sol, e depois morei em Portugal, esse país mimado com o sol mais brilhante de todos os sóis. E por tudo isto sei que pertenço, definitivamente, ao verão.

 

Gostava era de estar bem em todo o lado, de sentir-me bem a todos os momentos... ainda bem que não emigrei para um daqueles países em que é de noite 6 meses por ano. Já tinha ido desta para melhor. Ou voltado, talvez fosse mais fácil. 

 

Porém, nem sempre dá para estar sempre bem... e por isso vou andando por aí, por esse mundo fora, à procura de algo que não consigo encontrar - já estive mais longe! Dizem as más línguas na minha cabeça, que teimam em dar-me esperança, mesmo quando só quero sucumbir ao cansaço dos dias.

 

Voltei a meditar. E penso, como pensei de todas as outras vezes em que deixei a meditação e acabei por voltar... porque raio me esqueço desta prática que me faz tão bem??? 

 

E voltei... voltei a procurar-me dentro de mim... voltei a fazer aquele caminho de volta para casa.

 

Vamos lá ver se é desta que descubro que o caminho é o melhor destino... já tem sido assim das outras vezes, não é mesmo? Mais uma moedinha, mais uma voltinha.

 

Beijo na bunda,

da vossa dESarrumada

18
Ago19

Em Paris o mês de Agosto é como um domingo prolongado.

Desde o dia 1 de Agosto que Paris ficou com um terço da população habitual. Podia estar a exagerar, mas não estou. Os parisienses vão de férias, as lojas todas fecham, a maior parte dos restaurantes também não estão a funcionar...

 

Pasmem-se! Quase todas as manhãs consigo ir sentada no metro das 8h30! Algo que no resto do ano é praticamente impossível 🤷🏻‍♀️

 

Mas estou a ADORAR ver a cidade assim... Adoro ter espaço quando caminho nos passeios para andar e olhar para os edifícios com calma, adoro não estar sempre a esbarrar contra pessoas, adoro não ter desconhecidos a cheirar a cavalo colados a mim no metro, adoro conseguir chegar a casa sem ter que caminhar pela estrada porque o passeio em frente aos restaurantes está cheio de bêbados viciados em after-works... 

 

Mas está quase a acabar, daqui a uma semana o frenesim começa e deixo de ter Paris "só para mim". 

 

Até lá é aproveitar estes dias de sossego. 

 

Beijo na bunda 💋

 

Se gostam do blog partilhem com os amigos. Se não gostam partilhem com as inimigas. E não se esqueçam, este canto desarrumado também tem Instagram, e as conversas nos stories de vez em quando até são interessantes. Aqui! >>>@adesarrumada

 

 

 

08
Jul19

O lado negro das aplicações de encontros.

Aplicações de encontros. Tornam tudo mais fácil e acessível. 

 

Estou sozinha no fim--de-semana? No worries, vamos lá ver quem está online.

 

Vontade de ir beber um copo, ir ao cinema, ter relações sexuais? No worries, vamos lá escolher aqui um moço qualquer e passar algum tempo com ele.

 

Não me queixo. Afinal, sem as aplicações de encontros eu não teria conhecido quase nenhum ser do sexo masculino nos últimos 4 anos e meio. Para mim estas aplicações são nada mais, nada menos, do que "facilitadores de encontros". E relativamente a esse aspecto resultam e bem.

 

O que me anda a dar a volta à cabeça é que é extremamente fácil cair-se ne tentação de tratar o ser humano como descartável... largar tudo e desatar a correr à mínima dificuldade... "Ah e tal, se não resulta com este , é porque deve haver um melhor ao virar da esquina".

 

E quando damos por nós estamos perdidos no loop sem fim das aplicações de encontros. Cujo objectivo é manter-nos viciados naquilo... afinal, sejamos sinceros, se pudessemos encontrar o amor nas ditas aplicações, eles ficavam sem trabalho, certo? E a sua utilidade ficava ameaçada...

 

Escrevo este post porque ando com um dilema recente na minha vida.

 

sacre-coeur-paris.jpg

 

Há cerca de uma semana, na sexta-feira dia 28, comecei a sair com um rapaz chamado Gui.

 

O Gui corresponde a tudo que eu possa ter incluído na minha check-list de futilidades... tem cabelo castanho, olhos castanhos, é mais alto do que eu, pratica desporto, cuida de si próprio, veste bem, tem um bom emprego, tem um apartamento no centro de Paris, vem de uma boa família... O Gui não pressiona para fazer sexo, sabe esperar... com ele bati um novo record pessoal: 3 dates sem fazer sexo! Eu até festejava isto... se não tivesse vergonha do que acabei de escrever.  

 

Só para verem como tem sido perfeito... um dos nossos dates consistiu em encontrarmo-nos depois do trabalho (ele também trabalha até tarde), comer um gelado na Amorino que fica ao lado da basílica do Sacré-Coeur e ir para o jardim das escadas, às 22h da noite, beijarmo-nos que nem uns adolescentes deitados na relva, até à meia noite... Foi grande momento na minha  vida, que recordarei com carinho... E mais, já não me lembrava da última vez que tinha beijado um rapaz durante tanto tempo, sem acabar a noite com a pila dele na minha boca - ou noutro orifício do meu corpo.

 

Sendo que o Gui tem tantas qualidades, porque é que estou a escrever isto? Porque o Gui tem um defeito. Mas que não é culpa dele. Esse "defeito" é que há gajos bem mais giros que ele no Tinder. Ou no Happen. Ou no Once. Ou mesmo no metro. Ou no ginásio. Há gajos giros, e que poderiam fazer muito mais o "meu estilo", por todo o lado. E isto é um problema para mim... Há demasiada escolha. Fico sempre com aquela sensação de que "posso arranjar melhor"... e ao mesmo tempo penso "não sejas convencida, se calhar ele é o melhor que consegues". E isto é mau. Muito mau. Esta cena de valorizar as pessoas consoante a sua aparência física é horrível... Tanto para a minha auto-estima como para a percepção que tenho da dele... que é um rapaz extremamente simpático e que, para já, não tenho nem um único defeito a apontar.

 

Só consigo culpar as aplicações de encontros por esta sensação de "há mais peixe no mar". Demasiado peixe. Paletes e paletes de peixe. Haja paciência para lidar com isto... Conselhos? Já vos aconteceu saírem com alguém que preenche todos os requisitos, mas mesmo assim, sentirem que "falta algo" e que deviam continuar à procura? 

 

Beijo na bunda! 

09
Jun19

Ainda era tão novo...

IMG_20190609_173330.jpg

 

Pronto. O Panda de Ouro ficou-se pelos 3 meses e 6 dias. Ainda era tão novo... paz (pás! pás! pás!) à sua alma. Oremos irmãos.

 

Já dizia o outro :

 

Por cada uma que dás, é um Panda de Ouro que morre.

 

Querem saber como aconteceu? Se sim, em post normal ou formato TindAdvisor?

 

Beijo na bunda! 

 

05
Jun19

Um brunch que não é suficientemente francês para os meus fãs.

Recentemente postei foto de um brunch e alguém referiu que não era suficientemente francês (ou algo do género, sorry, mas a minha vida anda de loucos e não consigo responder aos comentários individualmente). 

 

Mas aquilo na foto foi o prato da lista que eu pedi. O restaurante tem um menu de brunchs onde podemos escolher a bebida quente, o prato e a sobremesa. O sumo de laranja e as cenas de pastelaria estão sempre incluídas nos brunchs aqui para estes lados.

 

Querem coisas à la française ?

 

Tomem lá então uns pains au chocolat. Um papel de parede perverso. E uma imagem romântico-parisiense. 

 

IMG_20190602_125921.jpg

 

IMG_20190602_135900.jpg

 

IMG_20190602_124717.jpg

 

 

Bem-vindos ao meu diário, um lugar seguro onde podemos falar sobre tudo. Bisou, da vossa dESarrumada.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds

Diário em fotos

Desarrumações antigas

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D