Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma dESarrumada

Diário de uma dESarrumada

21
Mar20

Ode ao isolamento social. Ou como ficar maluco em 5 dias.

Já não faço uma ode desde 2015, ano prolífero em inspiração, em que não só fiz uma ode ao kebab, como fiz outra ode aos tomates.

 

Vejam lá, que hoje acordei inspirada da minha vida, com aquela luz divina a cair-me nos cornos em modo angelical com direito a música de coro, e decidi escrever umas merdas no meu blog, à boa moda da dESarrumada, que aquela bitch nem sempre cá vem, mas quando vem parte a barraca toda.

 

Vamos lá?

 

Vamos pois.

 

 

Ode ao isolamento social

 

Tudo começou de um dia para o outro

O que era só uma simples gripe, segundo Emmanuel Macron,

Tranformou-se numa guerra sanitária,

E veio acabar com o famoso papel higiénico para limpar o bujon.

 

Já estou aqui que nem posso, de dormir mais de 10h por dia,

O sol esse, a trabalhar que nem um cão, já nem o via,

Mas agora ainda vejo menos, porque o velux do estúdio,

Uma limpeza já merecia.

 

Para sair, é preciso uma autorização,

Antes dava para preencher online e mostrar no telemóvel,

Mas um hacker decidiu que era a altura ideal para roubar informação,

E agora temos que copiar aquela merda toda à mão.

 

Já não escrevia tanto à mão desde a primária.

 

É a oportunidade ideal para ver séries, filmes e pornografia até cair,

O Pornhub aqui em França até já ofereceu uma conta premium gratuita.

Ok, esta quadra não vai rimar,

Mas com tanto porno em HD disponível até a patareca vai ficar aflita.

 

Se sempre quiseram testar os limites sebáceos do vosso cabelo,

esta é oportunidade perfeita.

Ver quanto tempo aguentam sem um banho.

Saber quanto é que crescem os vossos pêlos púbicos,

Podem testar aquele desodorizante zero waste, que tresanda, mas que sempre tiveram medo que os vossos colegas do work conseguissem cheirar.

 

Deixar o buço crescer até ao pescoço,

E apará-lo com o facalhão da cozinha.

Ok não se metam com o facalhão. Isso vai correr mal.

 

Qual cozinha? Não tenho. Estava só a brincar.

Já acumulei tanta tralha no estúdio que tenho que saltar obstáculos para chegar à cama.

Qual cama? Também não tenho.

É um sofá com um colchão mais fino que a pila do cachalote.

 

Não deixou saudades. Mas a experiência de quase morte que tive com ele, é tipo a experiência de morte eminente que o sistema de saúde público francês vai viver, brevemente, num hospital público perto de si. Porque entretanto os privados já deram à sola. Como em Portugal.

 

Mas isso já são outros quinhentos, como dizia a Avó Maria.

 

Pronto, isto no início rimava, já valeu pelo esforço,

Agora vou só dizer umas tretas soltas que me vierem à cabeça.

 

A minha vida tem sido:

Masturbação

Yoga

Meditação

Journalling

Visualização

Afirmações positivas

Ir comprar comida

Descer as escadas

Voltar para cima porque me esqueci da autorização

Copiar a autorização

Reparar que me enganei na data do decreto-lei

Recomeçar do zero

Escrever tudo outra vez

Tentar alegar que só tinha uma folha de papel em casa e deixar tudo entregue nas mãos de Deus

Ir às compras

Comer moelas pela terceira vez em dois dias porque é a única merda que sobra no corredor das carnes

Chegar à conclusão que o peixe aqui, para além de ser escasso, é nojento

E caro. Muito caro. Mas ainda não tão caro como o papel higiénico.

Esta gente pensa que o mundo vai acabar se não tiverem o rabo limpo?

Ou foi porque o Pornhub ofereceu um mês de premium grátis?

Não me digam que o papel higiénico é para se limparem depois?

 

Ok, foda-se, esta ode já descambou.

 

Vou só ali dormir a quarta sesta do dia.

 

E rezar para que a minha saúde mental aguente este isolamento em 12 metros quadrados.

 

Ontem bebi alcool sozinha, pela primeira vez na vida.

 

E ainda só vamos no 5º dia.

 

Arre foda-se.

 

Rogai por nós, irmões.

 

Beijo na bunda! 

 

 

18
Set19

Hoje é dia de voltar.

Que sentimento agridoce este de voltar para Paris... Não sei o que pensar. Queria tanto conseguir decidir outra coisa para mim... Mas não sei bem o quê. 

 

Ontem choveu bastante aqui... E caiu granizo. Bastante.

 

Queria dizer algo eloquente. Mas não consigo. 

 

Xau, xau. Voltamos a ver-nos em Paris. 

 

Beijo na bunda 💋 🍑

03
Jan19

5 coisas que tive que aprender desde que moro em França.

- Esvaziar um pote de crème fraîche com uma colher.

Só Deus e eu sabemos as voltas que eu dou, com aquela embalagem do demo com umas dobras estranhas no fundo, só para não sobrar nem uma grama. Cá desperdício é que não que a vida custa a ganhar a todos. Sou emigrante mas não sou parva;

 

- Andar na rua com uma baguete debaixo da axila.

Isto parece fácil mas... wait for it! Experimentem pedir uma baguete numa pastelaria, recebê-la directamente na mão sem papel e andar com aquilo até ao carro numa rua movimentada... estão a ver o Neo do Matrix a escapar-se das balas? É assim que os franceses têm que andar na rua;

 

 

- Ser paciente enquanto peão a tentar atravessar uma passadeira.

Ninguém pára na passadeira. Ninguém! Às vezes nem quando o sinal está verde para os peões. Ia ficando sem nariz por causa disto. Vi a minha vida a andar para trás várias vezes;

 

- Aprender a dizer caralhos t'a fodam em francês.

Ou pelo menos a sua versão mais parecida com o português e utilizá-lo frequentemente;

 

- Ir à casa-de-banho fazer xixi ou cocó e não lavar logo as mãos.

Sim, aqui a sanita está numa divisão isolada qual parente leproso. E muitas vezes a divisão onde está o lavatório nem sequer é mesmo ao lado da divisão onde está a sanita ou fica no andar de cima. Cagar, utilizar o piaçaba, abrir a porta e ir à cozinha lavar as mãos é algo socialmente aceitável por aqui. De extrema importância evitar tocar na maçaneta interior da porta que está na divisão onde fica o trono. Não digam que não avisei.

 

 

Beijo na bunda! 

 

Bem-vindos ao meu diário, um lugar seguro onde podemos falar sobre tudo. Já comentaram hoje? Bisou, da vossa dESarrumada.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Diário em fotos

Desarrumações antigas

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D