Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

03
Set18

O dia em que deitei a balança fora.

Quinta-feira 30 de Agosto.

 

Eu e a H. costumamos juntar-nos às quintas-feiras para ver La casa de papel - já agora a série está brutal, se ainda não viram corram, se vão comentar algo da segunda season calem-se para sempre porque não curto nada spoilers - continuando... estávamos a ter conversas feministas, como costumamos ter quase sempre que estamos juntas, e falávamos sobre o peso, a importância que isso tem na nossa vida, e como a sociedade conseguiu, ao longo de gerações e gerações, convencer-nos de que o nosso bem-estar físico dependia de um número.

 

Ela contava-me sobre o facto de só se pesar quando vai à nutricionista, e que isso antes era todos os meses, agora só de dois em dois meses, e que andava sempre contente, porque estava a ter sempre resultados positivos. Eu disse-lhe que me pesava todos os dias e que às vezes o peso oscilava tanto que ficava meia deprimida, apesar de fisicamente, até me sentir bem... (claro que há aquelas gordurinhas nas coxas e baixo-ventre, mais um inchaço na barriga que não gosto, mas no geral até me sinto bem com o meu corpo).

 

Tanto falámos sobre os malefícios de me pesar todos os dias e de estar, por isso, sujeita às oscilações da acumulação de líquidos corporais que quando cheguei a casa fui logo esconder a balança na minha despensa da tralha... lembram-se daquela divisão que tenho que está a abarrotar de objectos acumulados e outras quinquilharias não identificadas? Pois bem, meti a balança bem lá no fundo, e agora só a volto a tirar quando me voltar a sentir bem com as tais ditas "gordurinhas". Sim, ando a fazer atenção ao que como, sei que idealmente gostava de perder 8kg, mas também sei que posso perder menos do que isso e sentir-me bem na mesma. 8 é só um número, 68 é só outro número, e 60 não é o objectivo da minha vida. Sei que vou conseguir ser feliz sem ver o raio de um 60 na balança... vou, não vou?

11
Ago18

E quando uma pessoa preenche aquele vazio com comida?

Mais um desabafo triste, cá vai mais disto. Ultimamente a minha alimentação tem andado completamente descontrolada. Ao almoço levo marmita para o trabalho e é o mais saudável que possam imaginar, legumes, hidratos de carbono e proteínas na medida certa, o equilíbrio perfeito dos macros todos! 

 

No final do dia de trabalho, quando chego a casa, começa a desgraça. Ando às voltas, ando às voltas pelo apartamento, faço exercício, como uma maçã, depois um pêssego, um bocado de queijo e nada me "enche" esta puta de sensação de vazio. Vou a correr ao supermercado comprar um chocolate ou umas batatas fritas que como de empreitada quando chego a casa e às vezes ainda no carro. O facto de morar super perto do supermercado não ajuda, no entanto, sendo uma adulta responsável que já paga as suas contas sozinha há alguns anos, devia controlar melhor este aspecto da minha vida.

 

E ando a fazer desporto regularmente. Que acho que é o que mantém o meu peso mais ou menos decente, sem entrar ali na pré-obesidade. Mas sei bem que podia perder uns 8 ou 10 kg e continuava a sentir-me bem, o meu joelho esquerdo agradece, que desde que engordei nas férias de verão tem-me doído imenso... mas mal penso nisto sou bombardeada de pensamentos do género "não vais conseguir, é muito difícil, vais estar a privar-te do que gostas escusadamente, come o que tiveres vontade, aceita-te como és". Mas não consigo aceitar-me. Quando me olho ao espelho acho o meu corpo, comparado com o que era antes, nojento. Estas gorduras de lado na barriga e este inchaço constante na parte inferior da barriga causam-me náuseas.

 

Não gosto de me ver assim, eu não era assim antes. E tenho saudades dessa pessoa. Nunca tive uma relação formidável com a comida (a viver com os pais que tenho é óbvio que sempre cometi muitos excessos e sempre vi a comida como um reconforto)... mas o corpo sempre se aguentou num peso "magro". Desde que vim para França foi o descalabro total, os chocolates mais baratos deram logo cabo de tudo, lembro-me de nas primeiras semanas ir comprar tabletes grandes da Milka porque só custam 2€ e pouco aqui, perdi a cabeça e "habituei-me" muito mal. Mais uns croissants, e uns macarons, e muuuuuito queijo, com muitas tostas. Entretanto as tostas pararam por causa da minha glúten-fobia, sim, isto é real. Mas o queijo agora como-o à fatia directamente com a faca. Os croissants e os macarons também se foram com a tal glúten-fobia, mas os chocolates e as batatas fritas, oh deus, esses vieram para ficar. Parece que preciso disto para sobreviver e sinto-me tão mal por ser assim... por pensar na quantidade toda de comida que como durante os episódios de binge-eating... no mal que isto me faz aos intestinos (que têm andado mesmo muito mal...) e ao meu bem-estar psicológico.

 

E se um dia tiver uma doença grave por causa disto? E se ficar diabética? E se nunca recuperar aquele corpo que tinha antes? E se nunca mais conseguir ir às compras de roupa porque não consigo ver-me naquelas cabines minúsculas e mal iluminadas? (neste ano que passou, sempre que vou às compras fico ali a olhar para a minha celulite no espelho, as lágrimas afloram-me aos olhos e dou por mim a sair dali a correr sem comprar nada...) ahhhhhhhhhhhh.... isto tem de parar, a continuar assim vou dar em maluca! Só me apetece arrancar a gordura toda à facada qual peru trinchado no Thanksgiving!

 

E vocês, como é a vossa relação com a comida? Já passaram por alguma fase mais descontrolada?

07
Mai18

Missão #em2018ficoboa | 4

Lembro-me de ter ido correr em Setembro e só ter feito 10 minutos. Muito sofriditos que eles foram. Quase que cuspia um alvéolo pulmonar cá para fora (ou muitos, que eles são muito pequenitos, bem, acho que perceberam a ideia!).

 

Se me dissessem que ia conseguir correr 5,3km em 36 minutos eu ia dizer: "estás maluco??? nunca na vida!"

 

E não é que ontem consegui esta proeza??  E não me custou assim tanto!

 

Tenho corrido entre 2 a 3 vezes por semana, mais 1 ou 2 sessões de HIIT. Os outros dias são de pausa [ sagrada! ]. A alimentação só está controlada há uns dias (estive de férias em Portugal e a coisa descambou) por isso, o peso continua nos 66 e picos, às vezes 67. Gostava de chegar aos 60 até Setembro (em Setembro de 2017 tinha 72kg), mas não tenho posto muita pressão em cima dos meus ombros para emagrecer. Só quero sentir-me bem comigo própria, e tenho andado contente com o corpo que tenho neste momento!


Prontos, tinha que partilhar esta façanha aqui! Isto não é só coisas tristes nesta bida de dESarrumada! Às vezes também fico feliz e contente  Estou super orgulhosa de mim própria. Novo objectivo: 10 km! Quando?? Num faço ideia!

06
Mai18

dESarrumada dá um saltinho ao paleolítico: almôndegas paleo [ receita ]

Como prometido no Instagram - também disse lá que tinha voltado seriamente à alimentação paleo! - venho hoje dar-vos a receita de umas almôndegas que experimentei esta semana. Coisinha mais fácil não há! E acompanham com tudo, pode ser desde salada, legumes cozidos, esparguete de courgete, etc. O céu é o limite!

almondegaspaleo.jpg

 


Ingredientes: 

 

Carne picada (eu tinha 200gr porque era só para mim)

1 cenoura cortada em cubos pequenos

Cebola picada

Alho picado

4 colheres de sopa de farinha de amêndoa

1 ovo (para unir tudo)

 


Mistura-se tudo e faz-se as bolinhas com as mãos. 



Têm duas opções para as cozinhar, ou metem tudo no forno num tabuleiro forrado com papel vegetal ou fritam em azeite ou óleo de sésamo. Eu escolhi a segunda opção porque fui gulosa, mas cozinhar as almôndegas no forno é a opção mais saudável.

 

Acompanhei com uma salada de alface, tomate coração, pepino e azeitonas verdes.
Molho da salada: vinagre balsâmico e um bocadinho de mostarda de Dijon.

 

Nota: eu fiz as bolinhas com os legumes cortados aos cubinhos e elas desfaziam-se um bocado nas mãos... por isso o conselho que dou é triturarem os legumes (cenoura, alho, cebola) antes de os misturarem com a carne e a farinha de amêndoa. As almôndegas vão ficar mais fáceis de moldar.

Meus lindos, se experimentarem digam como ficou e/ou partilhem no Instagram! 

05
Mar18

Deixa de ser forreta moça... eu e os ovos.

Costumo comprar os ovos mais baratos e reles da prateleira do supermercado... costumo pagar 0,99€ pour 12 ovos. Mas ando numa de organizar a minha situação hormonal (largar a pílula foi o melhor que fiz na vida, by the way!) e decidi ter este tipo de aspectos mais em conta. Comprar carne e peixe de melhor qualidade, entre os legumes e frutas mais ricos em água, tentar comprar os biológicos, e reduzir a quantidade de químicos que meto na pele (cremes, perfumes, shampoo, larguei o condicionador, detergente da roupa, etc).

 

Isto já dura há algum tempo mas desta vez foi, finalmente, a vez dos ovos. Admito que me custa dar muito dinheiro por ovos, porque é algo que como imenso! No entanto, comecei a pensar ao contrário... "dESarrumada, como é algo que comes muito, é precisamente isso que tens que comprar de melhor qualidade! Deixa de ser otária!"

 

Pois bem, comprei o raio dos ovos a quase 5€ a dúzia... e não é que todo um novo mundo se abriu para mim?!?

 

As gemas dos ovos podem ser assim tão cor de laranja?

 

Mas que sabor bom é este?

 

Oh meu deus, estas panquecas / banana bread / ovos cozidos, estão divinais!!!

 

 

Nisto, pergunto para mim própria, parvinha, porque é que não comprei ovos de qualidade superior mais cedo???

 

A lição final deste post é dizer-vos, se há algo que comem mesmo muito, quase todos os dias, tentem comprar a melhor qualidade possível, a carteira vai chorar (parecendo que não este é um gasto de mais de 24€ mensais na minha vida) mas a saúde e o corpo agradecem!

04
Mar18

Voltei a correr.

Depois de mais de um ano parada (de vez em quando fazia 1km para descargo de consciência mas isso não conta) voltei a correr!

Esta semana fiz 7km no domingo, 5km na quarta-feira e 3km na sexta-feira (porque tinha menos tempo disponível).

Vou aproveitar esta motivação para não deixar passar mais de 4 dias sem correr. É uma sensação tão boa a de sair toda transpirada de uma corrida, aquelas endorfinas todas ali a flutuar no sangue fazem um bem que nem queiram saber! Quase melhor que fazer sexo! (Quase!) 

 

E que mais fazes como desporto dESarrumada, perguntam vocês?

 

Pois bem, para os interessados, vou uma vez por semana ao ginásio (fica a 40 minutos de carro (ida-e-volta) por isso nem sempre é fácil encontrar a motivação para mais essa "despesa" em gasolina, e tem estado muuuuuito frio);

Vou à piscina com as meninas, uma vez por semana, e de vez em quando faço exercícios globais (tipo Insanity) em casa - só não faço mais porque moro no 4º andar e estes exercícios têm muitos saltos e podia incomodar a minha vizinha chata, que mal faço algum barulho, vem logo reclamar comigo - então acabo por optar pelo TRX. Penduro aquela traquitana numa porta e lá estou eu a sofrer horrores durante 20 minutos, a pensar em todos os chocolates que já comi na vida e a arrepender-me de CADA-UM-DELES!

 

 

Maldito seja quem inventou o chocolate! Espero que ardas no inferno...!

 

Estou a brincar. A minha vida sem chocolate já não seria a mesma! 

 

Relativamente a peso, ainda estou a oscilar entre 66 e 67 quilos (meço 1,68m, para os fiscais de IMC!), a balança não mexe há quase um mês, mas as calças estão cada vez mais largas e a imagem no espelho tem estado mais agradável... será que ganhei mais músculo?

 

É nestas alturas que choro a falta que as balanças de bioimpedância das Farmácias portuguesas me fazem... 

 

 

E vocês, contem lá, que andam a fazer como desporto? As resoluções de ano-novo ainda se aguentam firmes e hirtas?

 

18
Nov17

Dieta, chocolates e Natal...

Difícil manter a dieta quando uma pessoa entra no supermercado e os primeiros corredores estão cheios de caixas e caixas de chocolate em promoção. Para além de serem chocolates (o que já por si é muito bom), estão em promoção (o que é óptimo!) e estão ao lado das garrafas de champanhe e brinquedos das crianças (este ano há umas Barbies bem giras). O que pode uma criança pessoa adulta e responsável (quase na falência por causa do "imposto de habitação") pedir mais? Aiiii... adoro o Natal. Venha daí a época das bolinhas da Lindt e dos Raffaellos que a seca de Novembro já está lançada para uma pessoa enfardar em Dezembro à vontade...

 

12
Nov17

Ou vai ou racha... eu e o low carb.

Cansei de estar gorda meu bem. Há uma semana atrás comecei um regime low carb, com bastante restrição calórica. Ou vai ou racha. 2kg já foram, nunca perdi tanto numa semana. Mas também já estava cansada de estar há 3 anos com um peso que sinto não ser meu. Tu não és assim, essas banhas nas costas não te pertencem. É o que digo quando olho para o espelho... e pensar naquela jovem de 22 anos que vestia o 36 da Bershka e que agora já nem entra num 40... quando é que me deixei ficar assim? Como é que cheguei a este ponto?

Bem sei, bem sei, positivismo corporal, aceita-te como és. Eu bem gostava de aceitar, mas quando olho ao espelho não me sinto eu, sinto-me pesada, sinto-me a viver noutro corpo. E é isso que me faz querer emagrecer, e é isso que tem que ser a minha motivação. Vamos lá ver no que isto dá. Para me manter concentrada nesta tarefa e não sair do trilho criei isto, quem quiser que siga.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O melhor comentário ganha um biscoito!

Desarrumações antigas

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D