Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma dESarrumada

A espalhar o #cagandoeandando por essa internet fora desde 2015.

Diário de uma dESarrumada

A espalhar o #cagandoeandando por essa internet fora desde 2015.

02
Dez19

8. Que baste.

Tivemos um primeiro date perfeito.

 

Tivemos um segundo date perfeito - jantar num restaurante asiático (quem aqui também adora um bom Ramen???), ali no quartier da Ópera de Paris. Depois fomos dar uma volta de metro. Ele acompanhou-me a casa e beijou-me quando chegámos à porta.

 

Foi tudo tão bonito.

 

Mas entretanto na sexta-feira (há mais de uma semana atrás) mandei-lhe uma mensagem a dizer que fazia 5 anos em França. A resposta dele foi fria.

 

Muito fria.

 

Eu respondi sendo simpática. Ele não voltou a responder mais, até ao domingo à noite. Dia em que recebi a notícia da morte do meu avô. Estava triste, muito triste.

 

A mensagem dele dizia: "quando estás livre esta semana?"

 

Passei-me.

 

Decidi aceitar os danos colaterais da mensagem que estava prestes a mandar.

 

"Desculpa, gostava de voltar a estar contigo. Mas isto de ficar dias e dias sem falar não é para mim. Preciso de mais."

 

Às vezes com a precipitação dizemos e fazemos coisas que mais tarde nos arrependemos. E este tipo de atitudes que tenho, de cabeça quente, são fruto da imensa falta de auto-estima que tenho por mim própria...

 

Ele respondeu: "não gosto de enviar mensagens, que queres que te diga?"

 

Passei-me. Detesto este tipo de respostas passivo-agressivas. Mas, provavelmente, ele respondeu assim porque se sentiu atacado por mim. 

 

Trocámos mais uma ou duas mensagens, eu desejei-lhe boa continuação. Ele disse-me que estava a exagerar e que eu queria que ele agisse comigo como se já estivéssemos a namorar, algo que não estávamos. 

 

Eu disse-lhe que só queria uma resposta às minhas sms. Mas que também não lhe estava a pedir para casarmos no dia seguinte.

 

Ele parou de responder. Senti-me parva. Mas decidi aceitar os danos colaterais da minha decisão precipitada. Que era nunca mais nos voltarmos a falar. Por uma estupidez.

 

Apercebi-me que não me fazia assim tanta diferença se ele saia ou não da minha vida. Afinal, tínhamos acabado de nos conhecer... não consegui perceber o porquê da minha "raiva" por ele não responder às mensagens... O Half-French tem um defeito, ele preenche demasiados items da minha lista de "rapaz perfeito" e acho que é isso que me deixa parva. Não sei lidar quando conheço um rapaz que pode ser "o tal"... e quero tudo muito rápido, para ontem.

 

Penso que ainda guardo cá dentro muita da mágoa que vivi com o Ele, o facto de ele dizer que me amava, mas nunca responder, o facto de estarmos em dois países diferentes e mal falarmos...

 

Isto da mini-discussão foi no domingo à noite. Na segunda-feira, passei o dia todo a pensar no meu avô. E no half-french. E no fim-de-semana espetacular que tinha tido, antes disso tudo. Não posso falar disso aqui por razões de anonimato, mas a pessoa em questão, sabe que é especial na vida de todas nós . Adorei estar envolvida na preparação esta surpresa! :D

 

Entretanto, decidi abandonar as mágoas do passado. Decidi que, apesar do que vivi com o Ele, não posso deixar que isso se repercuta em todas as minhas futuras relações. 

 

Decidi que tinha que deixar ir. Tinha que abandonar todas as expectativas que poderia colocar nos outros. Eu basto-me, e não preciso de outro alguém para me completar. Eu já sou completa.

 

Passei a semana toda a meditar nesta nova resolução. De me completar a mim própria, e de deixar de meter esse peso, o de me fazer feliz, nos ombros de outra pessoa. Falei com a minha mãe em vídeo-chamada todos os dias, ela estava triste, muito triste, com a morte do pai. E eu com a morte do meu avô. Vivi uma das piores semanas da minha vida. E quando quase me tentaram roubar o telemóvel, percebi que estava a passar por uma transformação interna importante, mas que estava a emitir demasiadas energias negativas enquanto o fazia. 

 

Tinha que reverter esta situação. Nessa noite cheguei a casa a tremer, em pânico.

 

"preciso de energias positivas, preciso que algo de bom me aconteça!" pensava, em loop.

 

No dia seguinte, do nada, o half-frencch enviou-me uma mensagem, a perguntar como estava. Ele deu-me outra oportunidade, e decidi fazer o mesmo. Respondi, combinámos encontro para dar um passeio no bois de Boulogne. Estava bom tempo, como na semana anterior.

 

Passámos por casa dele, ele fez o almoço. Massa com espinafres e um "bife" vegetariano. Ele é vegetariano, eu estou em transição por período indeterminado, mas sei que vou acabar por enveredar só por esse tipo de alimentação... estou farta de comer outros seres vivos... mas preciso de tempo para mudar.

 

Ficámos no sofá dele a dar beijinhos e depois ele acompanhou-me até ao metro. Fui jantar com uns amigos portugueses daqui. 

 

Gostei de voltar a estar com ele. E decidi deixar de ser parva e parar de esperar que sejam os outros a fazer-me feliz. Enquanto estiver à espera de outro alguém para ser feliz, nunca vou conseguir descobrir a felicidade que é amar-me e bastar-me a mim própria.

 

 

11
Nov19

6. Ecos.

Tudo que fazemos ecoa na eternidade. Disso não me restam dúvidas. Hoje foi um Domingo de introspecção... são neste momento 3h da manhã e amanhã é feriado aqui em França. Mas como dormi até tarde, não tenho sono rigorosamente nenhum.

Ando a reflectir nesta coisa de estarmos quase a mudar de década... e no facto de já só faltar cerca de um mês e pouco para que isso aconteça.

Hoje passei o dia todo com a sensação de que não fiz nada de jeito com o meu ano. Parece que passou tudo a correr. No entanto, esta insónia, levou-me a cuscar os vídeos que tenho no telemóvel... como troquei de telemóvel antes de ir para a Austrália, o facto deste telemóvel ter muita memória, aliado ao facto de eu raramente passar coisas para o computador... tudo isto fez com que, eu tenha literalmente, todos os vídeos que fiz este ano ainda no telemóvel.

E é incrível, desde à viagem à Austrália, à mudança de trabalho, à viagem a Portugal com a H, a mudança para Paris... a viagem a setembro para os anos da minha mãe, mais vídeos de Paris. 2 concertos espectaculares: George Ezra e Salvador Sobral. Mais uma viagem a Amesterdão. Ainda falta um congresso em Madrid e mais umas quantas coisas que não posso dizer ainda, por motivos...

Posso dizer que, este ano foi extremamente preenchido... apesar de ter passado o dia a pensar que não, que não tenho feito nada da minha vida... tudo só porque não há um resultado palpável... algo que possa olhar e dizer: este ano fiz isto... não estou numa nova relação, não engravidei, não fiz nenhuma formação que me altere algum estatuto ou que me faça mudar de profissão... por enquanto 

Aconteceu tanta coisa, e se tinha a certeza que este ano ia ser um ano de transformação e de mais auto-conhecimento, nunca pensei que tomasse uma decisão que pode vir a afectar os próximos anos... mas tomei. E vamos lá ver como corre.

Sei que não estás a perceber nada... mas tudo a seu tempo. Daqui a uns meses conto-te tudo, tudo. Só queria que ficasse aqui registado que, sim, fiz muita coisa em 2019. Os vídeos e fotos que vi hoje são a prova disso. Mas o mais importante são as vidas que tocamos nesse processo, e as que nos tocam a nós, tudo isso fica gravado e ecoa para a eternidade... Sinto sempre que só agora estou a começar.

30
Out19

3. Carro.

Disse que voltava aqui para te falar do meu carro.

 

Vendi o meu carro. O segundo que tive na vida. O primeiro comprei em Portugal com o meu primeiro salário, e dinheiro que tinha poupado durante 3 anos para fazer Erasmus. Intercâmbio no Reino Unido, para o qual fui seleccionada, somente duas vagas disponíveis! e do qual acabei por desistir, por pressão do meu pai, devido a dificuldades económicas... Estão a ver quando estamos entusiasmados para realizar um sonho, e os nossos pais, dos quais somos financeiramente dependentes, nos dizem a frase-mata-sonhos: "eu não tenho dinheiro para te pagar isso".

 

E vocês, ingénuos, aceitam o que os vossos pais decidiram que era o melhor para vocês... Apesar de saberem que, há bolsa, há formas de trabalhar para a universidade e ganhar uns trocos... Havia tanta forma de me ter safado, tanta solução, tinha tanta certeza de que ia correr bem, e mesmo assim ouvi o meu pai, e desisti. Lembro-me daquela quarta-feira, acordei cedo para ir falar com a professora responsável pela colocação nos Erasmus... 

 

"Professora, vim aqui para desistir da minha vaga e passá-la ao próximo na lista" (eu era a primeira a ter ficado colocada... Com a minha desistência, o terceiro colocado foi no meu lugar...)

 

"Você tem noção da oportunidade que está a deitar fora? Tem noção da quantidade de pessoas que queriam estar no seu lugar?"

 

"Tenho sim, mas por razões familiares não vou conseguir ir". 

 

Este foi um daqueles dias que mudou tudo na minha vida. O sonho de emigrar para o UK foi-se...

 

Saí daquela sala e contornei a minha escola por trás, para evitar o caminho principal e ter de me cruzar com pessoas conhecidas, em apneia fui caminhando entre os departamentos, até chegar à parte de trás da biblioteca, onde dava para ver a ria, e aquela paisagem magnífica que me acompanhou em muitas tardes de estudo... Era mesmo muito cedo, estava um bocado de nevoeiro. E a apneia foi-se. Comecei a chorar. Chorei tanto. Chorei (quase) tudo. Naquele dia senti que um caminho, de entre tantos outros caminhos que podia ter escolhido, tinha desaparecido para todo o sempre.

 

Chorei:

Por não ter nascido com mais posses monetárias,

Por não ter tido coragem de dizer foda-se ao meu pai,

Por ter tido medo de falhar e ouvir um "eu bem te avisei que o dinheiro não ia chegar".

 

Tive medo, muito medo... E com medo de desiludir os meus pais, desiludi-me a mim própria. E desisti...

 

Hoje não sei como teria sido a minha vida se tivesse ido para o Reino Unido e não para França? É engraçado... E ao mesmo tempo não tem piada nenhuma! Como um só segundo de indecisão, pode mudar tudo. O plano era: erasmus e depois procurar trabalho por lá. 

 

Entretanto, com o curso acabado, comprei o meu primeiro carro, com o qual não tinha sonhado, com o dinheiro de outro sonho... porque o trabalho que tinha na altura era relativamente longe de onde morava... Depois com as poupanças que voltei a fazer nesse trabalho, emigrei. Para França. O Reino Unido tinha um sabor tão agridoce que nem voltei a considerar essa hipótese. O primeiro carro lá ficou, com os meus pais, e irmão, são eles que o usam, já não me pertence... Mas quando vou a Portugal e vejo a puta daquele carro, não consigo deixar de pensar "e se tivesse ido?" 

 

Traz-me recordações pesadas. 

 

Chegada a França, numa terrinha com mais vacas do que habitantes, tive que voltar a comprar outro carro após um ano. Um carrinho pequenino, que ficou comigo por 3 anos. Chorei muito naquele carro, mas também ri muito. E as quantidades industriais de chocolate que comi lá dentro... Um carro tem sempre tantas histórias para contar não tem? Até o raio da matrícula tinha as minhas iniciais! 

 

Vendi-o no dia 2 de Setembro deste ano. Foi muito mal negociado e perdi quase tudo que paguei por ele... Só em TGV para o ir vender, foi quase tudo que me pagaram... Carros nunca são um investimento, mas isso eu já sabia. Contudo, fiquei mais leve. Não há gasolina para meter, não há inspecção para fazer, não há mais seguro para pagar. Aqui em Paris, quando quiser partir, é só pegar na troxas que tenho, meter tudo num saco (ou dois!) e bazar. Já não há mais nada para vender.

 

Sobre o carro#1: consegui perdoar o meu pai. E, 7 anos depois, a mim também... Mas só porque aprendi a aceitar que estou onde tenho que estar. É preciso deixar de pensar em quem podia ter sido, e concentrar-me na pessoa que sou e quero ser. 

 

Em termos materiais, não há mais nada que me prenda.

 

Ouve o que te digo, uma pessoa só se arrepende do que não faz... E isto que acabei de te contar é, provavelmente, o meu maior "e se..."

 

Mas a lista de arrependimentos a expurgar ainda é longa. Espero que estejas com paciência para ouvir. Obrigada por estares aí. 

 

 

07
Out19

13 sintomas de depressão.

Eu pensava que estava bem, mas não estava.

Eu pensava que estava só cansada, mas não estava.

Eu pensava que estava a ser preguiçosa, mas não estava.

Eu pensava que estava a procrastinar, mas não estava.

Não só, mas também.

Eu pensava muita coisa... pensei em tudo, menos na verdade. 

Não sei se é do tempo, ou o caralho, mas hoje estava no trabalho a pensar "mas porque raio sinto que estou a perder a vida em mim?"

E apesar de tudo... é a primeira vez que me sinto tão triste e vazia por dentro, mas continuo a sorrir por fora. Até toda a gente me diz que ando mais alegre, leve e feliz.

Quem me dera... quem me dera...

 

Hoje, encontrei isto na Internet, e fiz match 13/13! Por isso decidi começar a falar sobre isto, antes que isto me engula. Pode ser que ajude alguém:

 

13 Sintomas de depressão 


Se você tem experimentado alguns dos seguintes sinais e sintomas a maior parte do dia, quase todos os dias, durante pelo menos duas semanas, você pode estar sofrendo de depressão:


- Humor triste, ansioso ou “vazio” persistente;
- Sentimentos de desesperança, luto ou pessimismo
- Irritabilidade
- Sentimentos de culpa, inutilidade ou desamparo
- Perda de interesse ou prazer pela vida, hobbies e atividades
- Diminuição da energia ou fadiga
- Mover ou falar mais devagar
- Sentir-se inquieto ou ter problemas para ficar sentado
- Dificuldade de concentração, lembrança ou tomada de decisões
- Dificuldade para dormir, despertar de manhã cedo ou dormir demais
- Apetite e / ou alterações de peso
- Pensamentos de morte ou suicídio, ou tentativas de suicídio
- Dores, dores de cabeça, cólicas ou problemas digestivos sem uma causa física clara e / ou que não se aliviam mesmo com o tratamento.

 

 

FONTE: https://www.vittude.com/blog/13-sintomas-de-depressao/

06
Out19

Na lavandaria.

Domingo é dia de lavar a roupa na lavandaria. E estava aqui a ver se a lavagem estava muito avançada quando chegou uma rapariga asiática, talvez chinesa, com uns envelopes fechados na mão.

 

Ela meteu a roupa dela para lavar e começa a abrir os envelopes descontraidamente...

 

Eu estava na minha vida quando, de repente, ouço a rapariga aos gritos ao telemóvel, numa língua desconhecida para mim, enquanto gesticula com os papéis na mão. Furiosa. 

 

Começa a gritar cada vez mais, e entretanto a chorar com os nervos e a bater com os papéis em cima da mesa. Não sei o que estava a dizer, mas pelas expressões faciais e linguagem corporal devia ser algo que se assemelhe a umas boas caralhadas.

 

Fui correr (costumo dar uma corridita enquanto a roupa lava) e ao passar por trás da rapariga, de forma a sair da lavandaria, reparei que a carta que ela estava a abanar no ar, e talvez, com muita vontade de queimar, tinha um símbolo azul que tem vindo a tornar-se muito familiar para mim nos últimos 4 meses. 

 

Era o símbolo de uma das entidades que cobra os impostos dos trabalhadores liberais aqui em França.

 

Percebi tudo. E naquele momento, inundada de uma empatia sem par, fiquei com vontade de a abraçar, talvez deitarmo-nos no chão em posição fetal, e largar uma lágrimazita de tristeza com ela.

 

Para o ano já é a minha vez. 

 

Foda-se. 

 

Somos lixados, enrabados, sugados até ao tutano. Mas ao menos choramos juntos.

 

Boas eleições malta.

 

Beijo na bunda! 💋 

09
Mar19

Se é para descambar, que descambe de vez!

Há algo que nunca contei no blog e que andei a esconder de mim própria durante demasiado tempo. Mas visto que 2019 é o ano do FODA-SE, sinto que ando numa de "vamos lá fazer coisas que nunca fiz e ver no que dá". Meditei muito sobre se devia falar disto aqui ou não, mas well... decidi falar. Pode ser que o facto de escrever isto pela primeira vez me ajude.

 

Desde os meus 17 anos que passo por fases da vida em que sinto atracção por mulheres. Aquilo começou ali numa visita de estudo ao jardim botânico de não sei onde, durante a secundária, acho que era Coimbra... não que este detalhe seja importante mas pronto, gosto de tentar lembrar-me de factos do passado.

 

Todas as turmas do 10º ao 12º ano foram. E ficámos a dormir numa espécie de Instituto da Juventude, eramos 6 dentro de cada quarto. 4 pessoas em beliches e 2 pessoas no meio do quarto em colchões. Eu e uma amiga ficámos as duas nos colchões no meio do quarto. Eu que sempre fui tímida e com pouca confiança em mim própria, admirava imensamente esta rapariga, queria ter a coragem e a ousadia dela e invejava certos traços da sua personalidade... na altura a cena da moda era o estilo Avril Lavigne ou Amy Lee e eu lembro-me que essa rapariga foi das primeiras a ir para a escola com lápis preto nos olhos, muito lápis preto, minha gente. Na altura parecíamos uns guaxinins tal era a quantidade de preto escorrido à volta dos olhos. Todas excepto eu que os meus pais não deixavam. E até nem queriam que saísse com essa rapariga porque eu, sendo uma rapariga "decente" e com boas notas, corria o risco de ser desviada do meu caminho perfeito, se me desse com pessoas "fora da caixa".

 

Nessa noite, lembro-me de termos ficado a falar até tarde deitadas no chão, sobre gajos, aos sussurros uma com a outra, e ela deu-me a mão antes de adormecer profundamente. Eu ainda tentei tirar a mão mas não dava, era a mão de baixo e estava numa posição esquisita... fiquei portanto uma boa hora acordada, a olhar para ela de frente, enquanto ela dormia. Foi nesse dia que as questões começaram a aparecer na minha mente... e nunca foram verdadeiramente embora.

 

Na Universidade tive 2 experiências com duas raparigas, nas quais eu quis mais, e elas não. Não houve sexo. Mas houve beijinhos e muitos amassos. Tudo muito curto e muito escondido. Eram sempre pessoas que eu conhecia bem. Mas entretanto passaram-se 8 anos e não voltei a sentir isto desta forma, pensei que a "fase" tinha passado. Acreditei que nunca mais voltaria a ter dúvidas, que homens, pilas e afins, são 100% a minha cena.

 

Pois.

 

Ontem voltou a acontecer.

 

Uma amiga minha daqui disse que se sentia atraída por mim... e que queria ter uma experiência com uma mulher... fiquei sem resposta. Inicialmente pensei "YOLO, vamos a isso!". Depois fiquei com medo, não sei de quê, comecei com aquele riso nervoso que nos sai sem querer quando estamos numa situação estranha e só queremos sair dela o mais depressa possível. E às vezes desejamos que nem tivesse acontecido. Fingi uma dor de cabeça e fui embora. Mas fiquei a pensar no assunto. E a tentar dar voltas e voltas à cabeça a tentar encontrar o verdadeiro motivo para estar com medo... no entanto, acho que o que mais me assusta nisto tudo, é que estou com imensa vontade de ir em frente, arriscar e ver no que dá, mesmo sabendo que pode dar merda.

03
Mar19

LIBERDADE!!!

Não sei se acompanham os stories do Insta aqui da je... e antes de mais quero pedir desculpa aos seguidores do blog, mas ultimamente o tempo de fazer posts mais elaborados tem escasseado e como tal, os meus fãs (coff coff) do Instagram têm sabido todas as novidades em primeira mão... afinal, o Insta pode ser usado na casa-de-banho, enquanto que escrever posts com links no telemóvel é uma valente poia...  visto que estou no computador, e que este gajo ultimamente não tem ligado quando quero e só funciona quando lhe dá na real gana, vou aproveitar para escrever um testamento. Só lê quem quer 

 

Antes de avançarem, e para me conhecerem melhor em termos profissionais leiam:

 

Como vim parar a França

 

Pois bem, agora que já leram o link anterior e conhecem todo o meu contexto profissional:

 

DESPEDI-ME!!!

 

Depois de vários posts em que vos massacrei literalmente com o meu descontentamento no trabalho onde estou, decidi cagar no contrato de 2 anos que ainda tinha com eles até junho, e entreguei a minha carta de despedimento. Assim, de um dia para o outro!!!

 

A carta já estava escrita. As razões já estavam mais do que definidas na minha cabeça... mas faltava um quando e um como.

 

Na sexta-feira dia 22 de Fevereiro estava eu fartinha atéaojolhos das condições de trabalho, e eis que ao passar no corredor onde está o escritório dos médicos, onde também trabalha o médico chefe do serviço e que é o responsável pela equipa onde trabalho, pensei: "e se fosse agora?"... andei discretamente pelo corredor, assim como quem vai buscar fotocópias, e vi que ele estava sozinho no escritório: "nem é tarde nem é cedo, vou fazê-lo agora."

 

E entrei, a tremer que nem varas verdes, mas consegui verbalizar as palavras que há mais de dois anos não queriam calar na minha cabeça:

 

"Eu despeço-me!"

 

E foi assim. Foi assim que comecei a anunciar a minha liberdade... e que a coisa se começou a tornar real. Esperei até quarta-feira para anunciar ao resto da equipa. E desde esse dia toda a gente soube que eu me ia embora. Tenho um defeito psicológico: acho sempre que ninguém gosta de mim. Onde quer que esteja acho sempre que as pessoas fazem de conta, que ninguém me aprecia verdadeiramente. Talvez uma síndrome do impostor disfarçada? No dia em que me despedi percebi que até há algumas pessoas que me apreciam, e que afinal as minhas inseguranças são coisas da minha cabeça - ressalvo que não sou amada a 100% por toda a gente da equipa, mas o chocolate que é o chocolate e que eu amo de paixão, nem esse agrada a todos!

 

Acabo o contrato no dia 5 de Abril e depois vou fazer substituições nesta zona até meio de Abril porque tenho férias em Portugal na altura do meu aniversário... sim, sou uma Toura tardia.

 

A partir de Maio é o vazio em termos de planos. Ainda não sei o que vou fazer. Só sei que quero viajar e ver o mundo. Vi algumas ofertas na Corsega e noutras ilhas francesas, mas ainda estou a ver como posso fazer isto a nível de logística. Nunca pensei tomar uma decisão destas sem ter tudo planeado ao pormenor. Às vezes nem eu própria me reconheço... Quem me conhece desde o início do blog em 2015 sabe bem que a dESarrumada antiga NUNCA teria feito isto.

 

Eu queria controlar tudo... tudinho... até ao mais ínfimo detalhe. Acreditava que tinha um rumo a seguir profissionalmente e que se não o seguisse ao detalhe seria um grande falhanço. Para quem não sabe: quero ser professora e ter o meu negócio próprio na área em que trabalho. E achava que tinha que o conseguir antes dos 30 anos. Se não conseguisse teria falhado na vida. E esta forma de pensar estava a destruir-me. Não dá para controlar tudo na vida, e tentar fazê-lo é frustração na certa.  Todos estes "tenho que..." só me traziam ansiedade e estragavam os momentos felizes... Em vez de deixar a vida fazer a sua cena, tentava micro-controlar todos os meus movimentos e tentar escolher o caminho X para fazer a coisa Y e acabar na situação W. Aos poucos estou a conseguir abrandar. Percebi que se atingir o que quero nem que seja aos 50 anos ou mais tarde, não é grave! E talvez ser professora ou ter um negócio próprio não seja para mim... e está tudo bem.

 

No entanto, a minha mente ainda tem assim uns laivos de quase-ataque-de-pânico-oh-meu-deus-onde-me-vim-meter, mas já estou muuuuuuito melhor. A única coisa que ainda me deixa bastante desnorteada são gajos. Ah e tal é muito bonito estar numa onda de liberação sexual "vida-louca-quero-foder-até-cair", mas basta um gajo dar-me mais conversa, convidar para jantar, dormir, a coisa ficar mais íntima e já penso que encontrei o homem da minha vida... tsss.... ainda tenho muito trabalho de desenvolvimento pessoal e emocional pela frente nesta área... pouco a pouco chego lá. Acredito que tudo isto me esteja a preparar para saber reagir quando encontrar alguém especial. Estou a aprender o que quero e o que não quero. Espero.

 

A vida faz-se caminhando. E se já fossemos "grandes e crescidos" desde que nascemos... que piada teria esta puta de viagem? Eu não sei... mas como uma pessoa muito inteligente um dia me disse "Se eu tivesse asas era um avião"  E nesse dia, essas palavras tão simples mas tão sábias eram o que estava a precisar ouvir para me deixar de merdas.

 

Beijo na bunda 

19
Fev19

Peek a boo!

Será que se eu ficar aqui quietinha sem mexer um músculo e com as mãos a tapar a cara... a vida não repara que eu ainda estou cá e se esquece de mim?

Será que ela me deixa fazer uma pausa para decidir o que quero fazer a seguir? Eu disse que 2019 era o ano da mudança! Mas já estamos quase em Março e nada mudou... O tempo está a passar demasiado depressa...

 

peekaboo_desarrumada.jpg

 

18
Fev19

É por isto que vale a pena ter um blog.

Já se passaram 4 anos de blog e não podia deixar esta data passar em branco! Como muitos sabem, actualmente este blog não me traz nenhum benefício financeiro palpável. Só um gozo tremendo. Um prazer imenso em escrever o que me vai na alma.

 

Como disse no final do meu primeiro podcast, frequentemente antes de carregar no botão azul do "publicar", questiono-me "será que isto vai interessar a alguém?" e durante vários anos isso bloqueou a minha escrita. Se queria falar num assunto mais tabu não o fazia com medo de certos comentários, com receio que isso impedisse o crescimento do blog. Andei assim meses e meses, num vai não volta de "agora vou parar com o blog", "agora vou voltar ao blog", "agora vou mudar o URL do blog porque acho que alguém conhecido me descobriu..." etc. À custa desta atitude de indecisão e de não dar valor ao que escrevo "perdi" 2 anos de conteúdo de blog por aqui. Um blog que começou em Junho de 2017 era no início, um blog que começou em Janeiro de 2015. Esse conteúdo está privado... mas ando com vontade de o ir buscar, de revelar ao mundo um conteúdo que escondi por vergonha, de assumir de uma vez por todas a minha "história" e o início do blog. Um blog que começou com o intuito de fazer rir falando de assuntos tabu de uma forma descontraída e um pouco javarda, e que aos poucos se foi tornando também num diário das minhas aventuras internas - isto inclui, claro, o lado interno mais espiritual e o interior da minha vagina.

 

Talvez ninguém queira saber, muita gente pode estar a ler isto e a pensar "who cares?", mas para mim, enquanto blogger e pessoa que mudou bastante desde o mês de Janeiro de 2015, esse conteúdo representa o luto que fiz de Portugal, as saudades imensas que senti da minha vida antiga, a adaptação à emigração, a perda de grandes amigos que passaram a ser caras que vejo de vez em quando nas redes sociais, as aventuras com o Plutónio-Man (uma relação muito parva que tive à distância com um rapaz que estava em Portugal na altura, e que tem um bilau de 25 cm), o início da minha relação com Ele e o início do seu fim, que coincidiu com a altura em que mudei  o URL do blog para não ser "descoberta". Ler tudo isto traz-me umas saudades imensas de quem fui, aquela menina adulta perdida na vida, mas a certeza de que gosto mais de quem sou agora, uma mulher que começa a vislumbrar claramente aquilo que não quer, porém sem certezas absolutas daquilo que quer (e está tudo bem!), com uma vontade de continuar no blog, enquanto isto fizer sentido para mim. 

 

No dia 12 de Fevereiro disse-vos que estava de volta, mas foi falso alarme. Ainda não estou de volta ao blog a 100% como gostaria. 3 semanas a viajar no estrangeiro deixaram-me com a sensação de que preciso de voltar para mim. Preciso de voltar a enraizar-me com quem verdadeiramente sou. Estou à espera que a minha alma volte a entrar no corpo. 

 

E durante este tempo todo recebi comentários amorosos. Várias pessoas a dizer-me que adoram o blog e que vêm cá todos os dias ver se há novidades - desculpem se tenho desiludido por não andar a postar nada por aqui (meter stories no Instagram tem sido o meu escape quando quero escrever algo ou simplesmente fazer uma rant ou mostrar a bagunça em que está a minha casa) - mas o que mais me tocou, foi a quantidade de pessoas que criaram um blog no último ano e que disseram que eu fui uma das suas fontes de inspiração e, talvez, o pontapé no rabo que precisavam para começar o blog deles.

 

A Bla bla bla foi uma dessas pessoas a começar um blog e a fazer uma menção amorosa à dESarrumada! E espero que este post sirva como mais um incentivo para não abandonar o blog! Se estão a ler isto sigam-na. Vamos apoiar quem começa. Outras pessoas deixaram comentários anónimos no blog e alguns enviaram mensagem para o email do blog. Ainda não respondi a todos, porque pronto, aquela história da alma ainda não ter voltado... mas vou tratar disso em breve. Muito obrigada pelo amor que têm deixado por aqui desarrumados da minha vida! E como muitos de vocês apreciam:

 

Beijo na bunda! 

 

 

desarrumada_penis_sextoy_dildo_como_eu_blogo.jpeg

Eu a um sábado de manhã como outro qualquer. O António Vibrações estava a carregar.
Acho que é por estas e por outras que nunca fui convidada para a rubrica Como eu blogo do Sapo, apesar de já andar por aqui há 4 anos e o blog ter mais de 500 subscritores. Mas pronto, apesar dos seus defeitos, o Sapito continua a ser a minha casa preferida.
#Ressabiada #SorryNotSorry #Blessed #AmoTeSapo

 

 

 

Instagram: desarrumada_blog

Bloglovin': Diário de uma desarrumada

Blogs de Portugal: adesarrumada

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O melhor comentário ganha um biscoito!

Diário em fotos

Desarrumações antigas

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D