Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma dESarrumada

A espalhar o #cagandoeandando por essa internet fora desde 2015.

Diário de uma dESarrumada

A espalhar o #cagandoeandando por essa internet fora desde 2015.

25
Mai19

Para mim esta publicidade já ganhou o prémio da melhor do mundo.

Existem Oscars para publicidades? Se houver eu quero que esta ganhe um... e se forem uns apaixonados por Edith Piaf como eu (ando a passar por uma fase de vício com esta cantora...) não se esqueçam do pacote de lenços... Não digam que não avisei 😢 música: L'hymne à l'amour. 

 

 

Beijo choramingão, na bunda 💋

 

25
Mai19

Aplicações de encontros, a saga.

Como sabem estou a fazer um jejum. Mas isso não me impede de ir falando com moços diversos, espalhados por esse mundo fora.

 

Quando fui a Paris em Março, ainda tinha o Tinder instalado no telemóvel, e decidi fazer match com uns quantos gajos por lá "para ir apalpando terreno". 

 

Fiz match com uns quantos rapazes, mas só 1 perdurou no tempo. Foi um rapaz que começou logo a falar-me de chocolate e isso atraiu a minha atenção. 

 

Ele não descobriu sozinho. Eu falo desse vício no meu perfil. Só que, são tão poucos os rapazes que realmente lêem o perfil e falam sobre isso. A maior parte começa com um "Coucou, ça va ?" o nosso equivalente de "Olá, está tudo bem?"... Boring...

 

Neste mundo dos encontros digitais a originalidade conta bastante e se nós ficamos pelos básicos, nunca saímos da cepa torta e do mundo do ghosting. 

 

Apesar de ele ter falado de chocolate não respondi. Andava ocupada a falar com outros e com a minha vida, mas ele voltou à carga. Segunda vez. Quando o gajo insiste já é uns quantos pontos de bónus para ele, porque se não o fizerem muitos caem no vortex do esquecimento (quando se é gaja no mundo online, há muitos cães a um osso, só os mais insistentes, sem ser chatos, conseguem. Os que são chatos levam block #sorrynotsorry). 

 

Respondi. E falamos desde então com algumas pausas de 2 ou 3 dias. Às vezes uma semana de pausa. Mas está tudo bem. Quando fui a Portugal deixei de lhe responder no Tinder e o gajo deve ter entrado em pânico porque enviou umas quantas mensagens a perguntar se estava a correr tudo bem, se estava a gostar. Só respondi uma semana depois de ter chegado a França. 

 

O moço mandou logo mensagem, a dar o número dele. Muito ao estilo "deixo-te aqui o meu número, faz o que quiseres com ele"... Eu respondi: "mando-te mensagem amanhã". Mas só mandei ao final do dia, porque era domingo e tinha mais que fazer... Aí a decisão do Panda de Ouro já estava a mandar bitaites na minha mente. E ela veio, devagarinho. E com ela o desespero foi-se.

 

Entretanto mandei mensagem a este moço no telemóvel e desde aí que temos falado regularmente. Sem nunca responder logo... Demoro o tempo que tiver que demorar.

 

Ele chama-se Morgan, mas a partir de agora vou chamar Momô. Podem achar o que quiserem, mas se a Rita Pereira pode chamar o filho de Lonô, eu também posso chamar um gajo quase imaginário de Momô, se me apetecer.

 

Eis que ele começou com umas cenas no trabalho, foi até ao sul de França a um seminário, foi até Veneza e recentemente à Croácia em trabalho. Não sei o que faz, mas farta-se de viajar com o work. E num dos dias, um dos poucos em que eu estava a responder logo, ele deixou de responder.

 

"Pronto, mais um que mal eu dou mais atenção... vai c'os porcos".

 

Não sei que fenómeno é este, mas parece que os homens quanto mais se sentem ignorados, mais andam atrás. Quando começamos a dar muita atenção esfumam-se no ar.

 

Não liguei. Após 3 dias sem responder considerei um ghost e segui com a minha vida. 

 

Hoje, uma semana depois, enviou sms de novo. A dizer que teve que voltar a Veneza, que não conseguiu responder porque tinha muita coisa para gerir... Que a chefe dele programou tudo à última da hora e que ele teve que tratar de muita coisa, etc, etc. Até se desculpou por ter ficado tanto tempo sem responder... 

 

Fiquei sem saber o que responder... Mas estou numa de daqui a umas horas dizer "han? nem tinha dado conta que se passou tanto tempo entre mensagens" 😂

 

Antes tudo era um stress neste mundo dos encontros, aplicações e cenas. Agora sinto que encaro como um jogo, quase um passatempo. Não creio que uma relação séria possa sair deste mundo, por isso, vou aproveitando como posso, sem stress. 

 

04
Mai19

Ficar um ano sem relações sexuais é possível? PODCAST#2

Olá desarrumados,

 

resolvi responder às perguntas que todos andam a fazer e que não querem calar ninguém quer saber  sobre a minha vida amorosa. Há cerca de duas semanas disse nos stories do Instagram que ia falar em breve sobre a minha vida amorosa porque tomei uma decisão MUITO importante. Já sabem que não planeio nada disto, por isso não se admirem se fizer erros básicos de português, estava nervosa e, já não consigo fingir mais, estou gradualmente a converter-me numa avec 

 

Jean-Pierre tu vas tomber, caralho!

 

Este PODCAST ficou um bocadinho mais longo do que o primeito podcast que fiz (em janeiro, alguém ainda se lembra??) mas acho que ficou muito giro. Ya, sou super modesta. Não me chateiem. Sou dona do meu nariz , tá???  Agora vá, ide lá ouvir que eu já estive muito tempo de férias e quero ver se volto à programação habitual do blog.

 

Ouçam o podcast aqui:

 

 

Posts referidos no podcast:

O cachalote

Vou para Paris!

Fim da minha relação com ele

Dicas preciosas para quem muda de casa (versão de 2017)

 

Beijos na bunda maltinha! 

 

Instagram: desarrumada_blog

Bloglovin': Diário de uma desarrumada

Blogs de Portugal: adesarrumada

26
Abr19

Quantas vidas cabem numa vida?

Estar de férias em Portugal traz-me este sentimento ingrato. As saudades. Faz-me pensar em coisas que guardo numa gaveta secreta dentro de mim. Acorda os monstros que ainda cá estão e que a distância só adormeceu. Tenho saudades. Saudades de ter alguém. Saudades d'Ele. Saudades de lhe dizer bom dia. Saudades de amar, simplesmente. Quero amar com todas as minhas forças, sentir que há algo mais forte do que a vida...amar, amar e amar. Que saudades. De olhar olhos nos olhos, de tocar mão na mão. De dizer amo-te. Tão simples. Tão especial. Tão único. E de tantas vezes começar, para logo a seguir acabar, deixei de acreditar... Principalmente depois d'Ele. Não acredito. Que alguma vez me possa voltar a acontecer. Agora a vida é outra. Pequenos-almoços de solidão. Onde está aquele a quem fiz panquecas com pepitas de chocolate para levar à cama? Onde está aquele a quem disse amo-te num dia de calor? Quantas vidas cabem numa vida? Não sei. Mas cabem quantas conseguirmos aguentar. E sei que agora é outra vida. Jantares de pé na cozinha. Cinema para um. Visitas a castelos sozinha. E vou seguindo, à deriva, longe, neste mundo de camas vazias. Vidas vazias. Tantas vidas. Tantas saudades. Monstros, voltem a dormir, por favor. Quero voltar para França. Terra onde encontrei as gavetas que precisava para esconder as saudades. 

07
Mar19

Em Ponto Maria: Deixar a Porta Aberta?

Hoje vai-se falar sobre deixar, ou não, a porta do WC aberta enquanto fazemos as necessidades básicas. À vista de "todos" ou não? Eis a questão.

 

Enquanto rapariga consigo resumir esta dissertação numa frase muito simples: depende de há quanto tempo conhecemos a pessoa! 

 

Imaginemos duas situações: primeira vez que dormimos no mesmo espaço e 2 anos de relação. Não vou falar de como reagiria com mais tempo de relação do que isto porque não conheço, nunca been there, nunca done that!

 

Primeiro encontro, uma pessoa está ali em casa do moço... antes de chegar lá já comeu uma tábua de charcutaria francesa, bebeu um bom copo de vinho tinto , depois foi para um bar e bebeu uma cerveja... epah... dá aquela vontadinha de fazer cocó mesmo ali quando uma pessoa já está aos beijos no corredor do prédio e a entrar em casa dele... horror dos horrores, chega à casa de banho e só há um resquício de papel higiénico no rolo e fica com vergonha de pedir mais... opah, foda-se!

 

Como fazer nesta situação? Uma pessoa faz as necessidades físicas mesmo ali, contrai o esfíncter e tenta seguir em frente nas actividades coitais, ou sai a correr e diz sayonara ao moço? Pois. Eu decidi fazer mesmo ali, no WC de um desconhecido. Mas digo-vos já: não é fácil. Só os fortes conseguem. Como tal, e visto que começo a ter alguma experiência no assunto, vou ensinar-vos algumas técnicas para minimizar o constrangimento da situação:

 

- Quando querem fazer cocó sem barulho de puns - afastem as nalgas! Assim, mesmo como estão a pensar, uma mão de cada lado dos glúteos a criar uma abertura entre os ditos. Vão ver que o peidinho sai sem barulhinho nenhum. Palavra de dESarrumada.

 

- Quando querem evitar o barulho do PLOC no momento em que o cocó mergulha para a sua morada final - penso que esta já é um clássico, meter montes de papel dobrado por cima da água da sanita! O Senhor Castanho cai ali naquela caminha fofa de papel e nem um som é audível pelo gato que está à vossa espera na sala...

 

- E quando há pouco papel e não dá para fazer a caminha do cocó??? Nada temam!!! A dESarrumada tem a solução: sentem-se o mais à beirinha possível do tampo da sanita e controlem o esfíncter de forma a que o cocó caia muuuuuito devagarinho, fazendo escorrega até à água, em vez do clássico mergulho de cabeça. De certeza que é um momento de fim de vida menos glorioso para o cocó, mas, gosto de acreditar que ao menos enquanto escorrega se está a divertir e a gritar YOLO!!! Advertência: certifiquem-se de que existe piaçaba ao lado da sanita antes de efectuarem esta técnica. Não há nada pior que estarem debruçadas em cima da cagadeira de um desconhecido, a limparem cocó que ficou agarrado à louça da sanita, com um nico de papel higiénico bem dobrado à volta dos dedos para não conspurcarem as unhas!

 

E porque é que uma mulher se tem que dar ao trabalho de andar com estes esquemas todos??? Porque, segundo o mito, os homens não sabem que as mulheres fazem cocó! Shhhhhiu! Já imaginaram se eu fosse a primeira mulher a quebrar este crença popular tão enraizada??? Que vergonha isso ia ser para a raça feminina  

 

Dois anos depois... bem, isto já foi há uns bons séculos atrás! Já não me lembro de estar numa relação mais do que um ano há praí uns 7 anos! Mas sei que quando a coisa começa a chegar ali ao primeiro ano já faço xixi em frente ao moço. Lembro-me de na minha ultima relação mais duradoura o moço estar a fazer cocó e eu a tomar banho, ou  eu estar a fazer xixi e ele a lavar os dentes... mas... nunca aconteceu eu fazer cocó em frente a um gajo.

 

Por isso, não vos sei dizer ao certo se devem fechar a porta ou deixar aberta! Mas imagino que só custe a primeira vez. Os meus pais, por exemplo, são casados há quase 29 anos e fazem TUDO em frente um ao outro... às vezes até se fecham na casa-de-banho, enquanto um faz as necessidades, o outro lava os dentes, e vice-versa!  De vez em quando é com cada cagadela após feijoada que eu até fico vesga dos olhos só de me aproximar do corredor em frente à casa-de-banho tal é o cheiro nauseabundo que emana pelas frestas daquela porta!... e eles os dois fechados lá dentro, tranquilos, impávidos e serenos. Isto só pode ser amor minha gente! Para mim isto é #goals numa relação.

 

Resumindo e concluindo: cabe a cada casal decidir, de forma orgânica que isto não exige cá uma reunião formal, se quer partilhar os seus momentos pós-feijoada / pós charcutaria / pós-kebab um com o outro. Eu cá ainda fico à espera do homem que se queira fechar comigo no WC e partilhar o meu cheiro de cocó fedorento pós-bebedeira! 

 

Beijo na bunda! 

 

 

 

*******************************************************************************************************

Em Ponto Maria Oficial.jpg

 

"A coisa andou a cozinhar e eis que atingimos o ponto!!! Quinta-feira quente. Quentinha. A escaldar! A Maria chegou para tornar este dia banal da semana no dia mais ansiado por vós. Conjuntamente com o Triptofano tivemos a ideia de lançar uma rubrica semanal que vai abordar temas da actualidade que são completamente aleatórios e imprescindíveis ao mesmo tempo. Fiquem por aí e percam-se nos nossos devaneios."

18
Fev19

É por isto que vale a pena ter um blog.

Já se passaram 4 anos de blog e não podia deixar esta data passar em branco! Como muitos sabem, actualmente este blog não me traz nenhum benefício financeiro palpável. Só um gozo tremendo. Um prazer imenso em escrever o que me vai na alma.

 

Como disse no final do meu primeiro podcast, frequentemente antes de carregar no botão azul do "publicar", questiono-me "será que isto vai interessar a alguém?" e durante vários anos isso bloqueou a minha escrita. Se queria falar num assunto mais tabu não o fazia com medo de certos comentários, com receio que isso impedisse o crescimento do blog. Andei assim meses e meses, num vai não volta de "agora vou parar com o blog", "agora vou voltar ao blog", "agora vou mudar o URL do blog porque acho que alguém conhecido me descobriu..." etc. À custa desta atitude de indecisão e de não dar valor ao que escrevo "perdi" 2 anos de conteúdo de blog por aqui. Um blog que começou em Junho de 2017 era no início, um blog que começou em Janeiro de 2015. Esse conteúdo está privado... mas ando com vontade de o ir buscar, de revelar ao mundo um conteúdo que escondi por vergonha, de assumir de uma vez por todas a minha "história" e o início do blog. Um blog que começou com o intuito de fazer rir falando de assuntos tabu de uma forma descontraída e um pouco javarda, e que aos poucos se foi tornando também num diário das minhas aventuras internas - isto inclui, claro, o lado interno mais espiritual e o interior da minha vagina.

 

Talvez ninguém queira saber, muita gente pode estar a ler isto e a pensar "who cares?", mas para mim, enquanto blogger e pessoa que mudou bastante desde o mês de Janeiro de 2015, esse conteúdo representa o luto que fiz de Portugal, as saudades imensas que senti da minha vida antiga, a adaptação à emigração, a perda de grandes amigos que passaram a ser caras que vejo de vez em quando nas redes sociais, as aventuras com o Plutónio-Man (uma relação muito parva que tive à distância com um rapaz que estava em Portugal na altura, e que tem um bilau de 25 cm), o início da minha relação com Ele e o início do seu fim, que coincidiu com a altura em que mudei  o URL do blog para não ser "descoberta". Ler tudo isto traz-me umas saudades imensas de quem fui, aquela menina adulta perdida na vida, mas a certeza de que gosto mais de quem sou agora, uma mulher que começa a vislumbrar claramente aquilo que não quer, porém sem certezas absolutas daquilo que quer (e está tudo bem!), com uma vontade de continuar no blog, enquanto isto fizer sentido para mim. 

 

No dia 12 de Fevereiro disse-vos que estava de volta, mas foi falso alarme. Ainda não estou de volta ao blog a 100% como gostaria. 3 semanas a viajar no estrangeiro deixaram-me com a sensação de que preciso de voltar para mim. Preciso de voltar a enraizar-me com quem verdadeiramente sou. Estou à espera que a minha alma volte a entrar no corpo. 

 

E durante este tempo todo recebi comentários amorosos. Várias pessoas a dizer-me que adoram o blog e que vêm cá todos os dias ver se há novidades - desculpem se tenho desiludido por não andar a postar nada por aqui (meter stories no Instagram tem sido o meu escape quando quero escrever algo ou simplesmente fazer uma rant ou mostrar a bagunça em que está a minha casa) - mas o que mais me tocou, foi a quantidade de pessoas que criaram um blog no último ano e que disseram que eu fui uma das suas fontes de inspiração e, talvez, o pontapé no rabo que precisavam para começar o blog deles.

 

A Bla bla bla foi uma dessas pessoas a começar um blog e a fazer uma menção amorosa à dESarrumada! E espero que este post sirva como mais um incentivo para não abandonar o blog! Se estão a ler isto sigam-na. Vamos apoiar quem começa. Outras pessoas deixaram comentários anónimos no blog e alguns enviaram mensagem para o email do blog. Ainda não respondi a todos, porque pronto, aquela história da alma ainda não ter voltado... mas vou tratar disso em breve. Muito obrigada pelo amor que têm deixado por aqui desarrumados da minha vida! E como muitos de vocês apreciam:

 

Beijo na bunda! 

 

 

desarrumada_penis_sextoy_dildo_como_eu_blogo.jpeg

Eu a um sábado de manhã como outro qualquer. O António Vibrações estava a carregar.
Acho que é por estas e por outras que nunca fui convidada para a rubrica Como eu blogo do Sapo, apesar de já andar por aqui há 4 anos e o blog ter mais de 500 subscritores. Mas pronto, apesar dos seus defeitos, o Sapito continua a ser a minha casa preferida.
#Ressabiada #SorryNotSorry #Blessed #AmoTeSapo

 

 

 

Instagram: desarrumada_blog

Bloglovin': Diário de uma desarrumada

Blogs de Portugal: adesarrumada

 

16
Fev19

Ao segundo dia ressuscitou.

Há bastantes anos um rapaz que gostava muito e a quem dei tudo (literalmente porque foi o meu primeiro) acabou comigo dois dias depois do dia dos namorados. Porque eu gostava demasiado dele.

 

Depois disso perseguiu-me e fez-me a vida negra porque queria continuar a ter sexo comigo, mas sem ser meu namorado. Algo que sempre recusei. Ou namoras comigo ou não há cá pão para pançudos. Dizia eu na época. Jovem adulta de 20 anos e muito apaixonada, mas ainda mais magoada.

 

Ele era chamadas anónimas em que desligava logo, ele era chamadas em que quando eu atendia se ouvia do outro lado um filme porno com uma gaja a gemer bastante, com a sms a seguir que dizia "quero fazer-te isto". Eu tive direito a tudo um pouco relacionado com sexo vindo desse rapaz que acabou comigo porque "era melhor assim" e que eu lhe tinha feito coisas que "não se fazem ao pior inimigo".... mas nunca me chegou a dizer que coisas eram. 

 

Resumindo e concluindo, ele deve ter-se apercebido que eu era boa demais para ele e que ter uma relação tão séria logo no início da universidade ia estragar-lhe a experiência académica. Compreendo. Quando ele acabou comigo fiquei um ano a deprimir e isso também influenciou muito a minha vida de estudante. Só acordei para a vida no que diz respeito a gajos no último ano, mas aí já tinha estágios e trabalho final para entregar e não aproveitei tanto como poderia ter aproveitado. Nessa altura era jovem e fresca, gozei muito, mas sei que podia tê-lo feito muito mais se não tivesse sido esta história de coração partido por causa de um parvo. 

 

Talvez ele esteja arrependido de ter acabado comigo. Talvez tenha visto o quão perfeitos podíamos ter sido juntos (eu vi-o, vi este futuro que podia ter sido bom, juro que até cheguei a sonhar com os filhos de olhos verdes como os dele que íamos ter). 

 

Incrível, incrível, é que quando acabámos a universidade ele tentou aproximar-se para voltarmos a "tentar"... Eu disse não. Desculpa, mas com tudo que me disseste sobre sexo e quereres aproveitar a vida e só me quereres ver para foder, nem penses que eu vou acreditar que me queres de volta de uma forma séria... No dia da benção de finalistas, azar dos azares, porque nem éramos do mesmo curso nem departamento, as filas dos nossos cursos ficaram lado a lado. Ou seja, tive que levar com ele sempre a olhar para mim no meu último dia de trajada na universidade... foda-se. No fim do dia recebo uma mensagem : "estavas muito linda".

 

Epah, temos pena. Perdeste a tua oportunidade moço. Isto não acabou ali. Enquanto trabalhei em Portugal tive que levar com mensagens constantes dele. Quando vim para França nos primeiros dois anos foi igual. Só quando o mandei à merda com todas as letras e lhe disse coisas mesmo muito más é que começou a espaçar as mensagens, porém sem nunca desistir... excepto nos últimos quase 2 anos.

 

Ele acabou comigo dois dias depois do dia dos namorados. E hoje à meia noite recebi uma mensagem dele a dizer « 7 anos ». Para mim foram 7 anos em que me descobri como mulher e em que não me arrependi nem um segundo de nunca ter tentado voltar para ele, nem que fosse pelo "caminho do sexo" como muitas mulheres fazem... que dormem com alguém na esperança de que ele as comece a amar um dia... eventualmente.

 

Espero que ele consiga algum dia ultrapassar isto. Eu já ultrapassei. E espero um dia ter filhos com alguém que me ame sem dúvidas ou reticências ou pausas. Filhos esses que nunca terão os olhos dele.

05
Nov18

Desabafos sobre essa distância que me corrói a alma...

Não é fácil manter uma relação à distância... e isso é algo que infelizmente fui aprendendo com a emigração. Em 2016, depois de uma relação à distância falhada, tinha prometido que seria a última relação deste tipo. Mas conheci-o, e acreditei que podia ser ele "o tal". Decidi continuar e tentar mais uma vez. Há quase um ano que ando nesta vida de Whatsapp, Skype, etc. 

Juro. Tentei tudo, dei tudo que tenho, esvaziei a alma nestas tentativas. Juro que continuo a tentar. Mas não tem sido fácil lidar com a falta de respostas da parte dele... um simples está tudo bem não me chega, nem nunca vai chegar. Gosto de conversas mais completas, gosto de assuntos mais desenvolvidos, mas também sei que quanto mais tempo se passa longe, menos se tem a dizer. Depois chegam as dúvidas, e das duas uma, ou sou eu que sou muito carente ou há um afastamento que se está a instalar pouco a pouco, qual erva daninha que vai crescendo num terreno recém cavado.

Hoje, podia falar primeiro como tenho feito todas as noites, podia insistir mais uma vez, mas hoje não o vou fazer. Hoje vou deixá-lo ter saudades. E amanhã será um novo dia. E talvez eu, depois de uma noite de descanso, já esteja mais calma e veja a vida com outros olhos...

 

 

3 de Novembro, 2017.

Um post que estava aqui guardado nos rascunhos e que nunca cheguei a publicar...

...escrito 3 meses antes do fim.

Já se passou um ano desde que comecei a ter dúvidas.

O tempo passa mesmo depressa.

Nunca mais falámos.

Apesar de tudo, e da vida que tenho conseguido viver sozinha,

tenho saudades dele.

 

06
Set18

Fechando as minhas gavetas, uma a uma.

Tomei uma decisão em Fevereiro e sei que não vou voltar atrás, por muito que o coração aperte, por muito que o corpo peça aquela pele, aquele toque de novo, nem que seja só por mais um dia. Só mais uma hora. Só mais um segundo.

 

1 ano e 12 dias, juntos.
Nada mais.
Apenas contactos esporádicos antes disso e nenhum contacto depois do fim.
Tudo começou e acabou rápido, como uma tempestade de verão.
Sol-chuva-sol.
E a vida continuou.
Mas seguiu sem mim.

 

Sinto saudades daquele cheiro, sinto saudades daquele fim-de-semana em Paris, e do outro em Lisboa, e de tantos outros que fomos vivendo por aí. Praça do Comércio, onde demos o primeiro beijo. Será que ele ainda se lembra? Sinto saudades dele, inteiro, com todas as sua qualidades e defeitos. Sei que acabei com ele de uma forma que nunca pensei fazer... fui fria, porque sofria e queria acabar com aquilo o mais depressa possível, como quando arrancamos um penso com um esticão rápido. "Pronto, já está, não se fala mais nisso".



Convenci-me de que relações à distância não são para mim, mesmo que esta tivesse sido com o meu amigo de infância, o rapaz que sempre acreditei estar destinado para mim.
A quem dei o meu primeiro beijo com 6 anos.

 

Contudo, no meio de tanta frieza, tive o discernimento de escrever naquele email que o futuro nos pertencia. Que algures, num espaço-tempo que ainda está para vir, se fossemos a pessoa-sol um do outro, iríamos acabar por nos encontrar de novo. Deixei ao destino o encargo de me fazer feliz. Porque eu própria não fui capaz de o fazer. Acobardei-me. E sei que bastava pegar numa carrinha de mudanças ou largar tudo e fazer 2 horas de avião e estaria lá, com ele, a menos de uma hora de distância de ambas as nossas famílias, numa cidade que sempre gostei. No país onde ele escolheu ficar e de onde eu decidi partir. Tudo era tão fácil e ao mesmo tempo achei que era cedo para abdicar de tudo que sonhei no estrangeiro.

 

Existem pessoas que criam raízes, e outras que ganham asas.
Sem dúvida ele faz parte das primeiras.
E eu sou, indubitavelmente, alguém com asas.
 

 

Apesar de na altura achar, que a minha vida de sonho passaria por subir ao altar com aquele homem, tomei uma decisão. Mas fogo... só eu sei como tenho saudades da voz dele, saudades da forma como olhava para mim com aqueles olhos castanhos que me despiam inteiramente. Tivemos tão pouco tempo para nós, e mesmo assim tudo ficou marcado a ferro e fogo no meu coração. Para nunca mais sair. Marcas de uma vida que parece que foi noutra vida. Será que ele ainda pensa em mim? Arrependimentos que não consigo apagar e questões que teimam em martelar na minha cabeça, vezes e vezes sem conta... e se... e se tivesse arriscado tudo nele e por ele? Se tivesse ido preencher o meu coração e esperar que o destino fizesse o resto relativamente ao lado profissional da minha vida?

 

O meu pesadelo mais obscuro é comigo, num lar de idosos, a pensar nele.
E este pensamento teima em aparecer na minha mente antes de dormir.
Quase todas as noites.

 

Vida de merda cheia de decisões difíceis. E ainda assim foi tão fácil decidir amá-lo. Mesmo sabendo com certeza absoluta, desde o início, ainda antes de qualquer beijo ou carícia, ainda antes de qualquer amo-te, que tínhamos um prazo de validade. 


Água fresca.

Eram os teus beijos.

Água quente.

 

 

08
Ago18

Estar solteira e as suas vantagens tão priceless.

É verdade que desde Fevereiro estou "oficialmente" solteira. Mas, desde essa data, andei sempre com a impressão de que tinha que arranjar um moço à força toda. Depois de duas desilusões seguidas, primeiro o moço S. que era racista e só pensava em dinheiro e depois o moço C. que tinha tudo para ser perfeito, mas que ainda não superou completamente a relação anterior, que durou 5 anos, e que, decidiu "acabar" tudo ao tentar fazer-me um ghost - só não o fez porque eu peguei nos meus tomates e liguei-lhe a perguntar "Que merda é esta, deixas de me falar de um dia para o outro? Deves estar a confundir-me com outra rapariga qualquer". Eis então que estou solteira da silva, sem intenções de voltar a procurar um moço X, Y ou Z. Acho que vou literalmente ficar à espera que ele me caia do céu. Se não cair nada, que se lixe, hei-de sobreviver. 

 

Estão a ver quando uma pessoa vai a um casamento, come que se farta, enfarda até não caber mais comida e fica ali a vegetar e a jurar que "nunca mais come nada na vida" até à terça-feira da semana seguinte? Pois. Eu estou assim. Enjoadinha de todo no que diz respeito a rapazes. Com vontade de aproveitar masé a minha solteirice. Entre viagens e outras coisas planeadas, ando a planear a "great escape" - como eu gosto de carinhosamente chamar o momento em que vou bazar deste trabalho e vilazinha cidade! Faltam 10 meses para acabar o contrato de 2 anos que assinei com o Centro onde trabalho... a contagem decrescente começou, e eu mal posso esperar pelo dia D... tic... tac... tic... tac...

 

counting the days.jpg

 

Outra coisa, decidi adiar a minha candidatura para o voluntariado internacional (apesar de ter ido à reunião de informação e já ter CV + carta de motivação, em francês e em inglês, feitinhos e prontos a enviar), porque decidi ir visitar a J. à Austrália, e isso para além de ser uma viagem que envolve bastante planeamento, vai também trazer-me alguns gastos financeiros consideráveis. O voluntariado, posso sempre fazer mais tarde... enquanto que a oportunidade de fazer esta viagem com a J. - que está na Austrália a trabalhar como au pair por 6 meses e a viajar os 6 meses restantes - não sei se volto a ter. E como dizia a outra YOLO!

 

Quanto ao futuro, a longo prazo, tenho algumas ideias do que vou fazer depois da viagem à Austrália. Mas, como a vida está sempre a mudar, não vou estar praqui com planos fixos. Até porque tenho várias ideias em mente (e já sou conhecida por estar sempre a mudar de ideias, não é mesmo?). Entre outras, estão as seguintes ideias:

- arranjar um trabalho fixo numa cidade que goste muito e instalar-me por lá com um apartamento porreiro, morar perto de um ginásio e inscrever-me em aulas de Yoga ou cozinha, ou algo do género;

- fazer substituições de curta duração através de agências de trabalho temporário um pouco pela França toda, para conhecer várias formas de trabalhar e visitar umas cidades simpáticas;


- ir trabalhar meio ano ou um ano inteiro para os DOM-TOM - as ilhas francesas, como por exemplo: Martinica e Guadalupe (nas Caraíbas), Polinésia Francesa (no Pacífico), Reunião (no Índico)... - O céu é o limite, portanto.

 

Posso oficialmente dizer que - apesar de não ser nada fácil lidar com esta carência e insegurança toda e às vezes ainda dar por mim a chorar que nem um bebé - estou, aos pouquinhos, a apaixonar-me pela minha solteirice, por todos os caminhos que esta está a abrir para mim e pela coragem de "desbravar" mundo que tenho sentido! E isso é algo que não tem preço!

 

 

Beijo na bunda

para os meus desarrumados! 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O melhor comentário ganha um biscoito!

subscrever feeds

Desarrumações antigas

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D