Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

02
Out18

Quem sou eu?

Uma pessoa passa uma vida a acreditar em várias coisas.

 

Elas são frases que nos são ditas repetidamente, conceitos abstractos, críticas que ouvimos vezes e vezes sem conta, por vezes elogios às nossas capacidades que só os outros conseguem ver. E uma pessoa acaba por dizer para si própria: "se os outros pensam isto sobre mim, então é porque deve ser verdade".

 

Inconscientemente todas as decisões que tomamos têm por base estas crenças. Se escolho este emprego é porque me vejo desta forma, se escolho aquele companheiro é porque me vêem com alguém deste género, se vou para determinado país é porque esperavam que tomasse essa decisão, se troco de vida é porque é o que é suposto eu fazer.

 

Ultimamente, apercebo-me que pouca coisa na minha vida foi uma escolha minha. Escolhi muito pouco para mim porque me conheço muito pouco. Limitei-me a fugir da prisão em que me meti ao longo dos anos. Mas continuo acorrentada. Desta vez com correntes ainda mais compridas que as anteriores, com milhares de quilómetros entre elas.

 

Quem sou eu? Para onde vou? Não sei. Porque, e isto só o soube recentemente, nunca me dei oportunidade de me conhecer. Sempre me vi através dos olhos dos outros e sempre esperei a validação de terceiros para tomar as minhas decisões.

 

Quando choro não é por tristeza por causa da minha vida estar onde está, choro porque não tomei algumas decisões que queria ter tomado, choro porque não sei qual das decisões é a correcta. E hoje escrevo este post porque ando a martirizar-me com a procura de respostas que simplesmente não existem.

 

Não há decisões definitivas. Não há uma verdade absoluta. A minha verdade não é a tua. A minha verdade hoje pode ser uma e amanhã será outra.

 

Hoje disseram-me: "Falhar não existe. Falhar é um conceito abstracto."

 

E era tudo o que precisava ouvir hoje.

 

12 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O melhor comentário ganha um biscoito!

Desarrumações antigas

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D