Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

06
Dez17

Não consigo ficar triste hoje.

Querido diário, já me apercebi que fico mais triste e deprimida quando volto para França depois de passar férias em Portugal. Normalmente esta situação dura sensivelmente 2 meses. Dois meses em que "morro" de saudades, dois meses em que sofro de ansiedade constante, medo de "nunca mais lá voltar", medo de não realizar todos os projectos que me passam pela cabeça quando lá estou.

 

Dois meses depois e tudo passa. Parece que a mente esquece os cheiros, as vozes, os lugares. Parece que tudo está a uma distância enorme, a vida continua, outros projectos surgem, eles estão lá e eu estou cá. Sinto que ir lá (às vezes) só me faz mais mal do que bem. No momento estou óptima, mas quando volto passo por umas semanas horríveis, em que só penso em voltar. Sinto que ir lá várias vezes por ano interrompe o meu processo de luto, o luto que tenho vindo a fazer por ter escolhido sair do país e deixar tanto para trás. Adoro ir e ver a família, os amigos, tudo. Mas isso tudo também me provoca uma dor danada. Deixa-me um sabor doce na boca que depois se vai transformando em azedo.

 

Hoje sei, eu sou a alma que tenho no corpo. Eu vivo no momento presente. Não me serve de nada estar a pensar no amanhã ou no ontem. É seguir em frente. É saber que enquanto me tiver a mim mesma tudo vai correr bem, seja em que país do mundo for. E não caio em ilusões, em sonhos e devaneios de que no estrangeiro vou ser isto e aquilo. Caí na real, como dizem. Sei hoje que o que importa na vida são os pequenos momentos diários, as pequenas conquistas. Não adianta ter sonhos de grandeza, não adianta estar sempre na ânsia de subir a montanha, subir, subir, e depois de chegar lá em cima ver que está nevoeiro e que a vista cá em baixo é que é a mais bonita.

 

Hoje sonho com os dias de paz que tenho tido. Não me interpretem mal, se quiser escolher muita coisa que está a correr "mal" eu consigo dizer umas quantas. É muita confusão no trabalho com a pressa para fazer "números", é preciso ver cada vez mais doentes em menos tempo, é muitas situações de mal-entendidos com colegas, mais as coisas com o meu namorado que não têm estado bem. Muita coisa está a correr mal, mas eu escolhi estar em paz. Tenho duas pernas, dois braços, posso comer, respirar, sou independente moral e financeiramente, moro na Europa (e isso é uma sorte dos diabos, uma pessoa às vezes nem pensa), posso ir para onde quiser, posso sonhar com tudo que quiser. Sei que o dia de amanhã vai chegar, o sol ainda vai brilhar muitas e muitas vezes ao longo da minha vida, espero. Por isto tudo hoje digo obrigada. Amanhã tudo poderá ser diferente e posso cair no fundo do poço outra vez. Mas hoje estou em paz e mesmo que quisesse arranjar motivos para estar triste, não conseguiria.

 

10 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O melhor comentário ganha um biscoito!

Diário em fotos aqui:

Follow

Desarrumações antigas

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D