Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma dESarrumada

Diário de uma dESarrumada

24
Fev20

Guarda o teu regresso aqui.

Casa.

Vim passar o fim de semana ao Porto, estou neste momento a fazer tempo antes de ir passar a noite no aeroporto, "dormir" e ir embora amanhã de manhã muito cedo.

 

A formação já acabou, e já estou nostálgica das pessoas que conheci por lá. Ainda há pessoas boas neste mundo, e por isso agradeço. Nos últimos anos tenho tido sempre pessoas impecáveis a cruzar o meu caminho. E vocês, já agradeceram alguma coisa hoje?

 

Confesso, quando fui embora de Portugal achei que o mundo inteiro estava contra mim, achei que este país me queria mal, que as pessoas aqui eram más, basicamente, achava que nunca ia conseguir ser feliz aqui. Na altura havia uma rapariga, colega de profissão, que me fazia a vida negra lá no trabalho onde estava, a ganhar 3€/hora a recibos verdes. Saí por causa do salário, mas não só, acho que a razão principal foi achar que não tinha amigos em Portugal e que nunca ia ter. Agora apercebo-me de que tinha uma visão da vida muito distorcida e muito negativa. A maior parte das pessoas só está a pensar no seu umbigo, e não quer saber dos meus stresses e ansiedades. E curiosamente, a vida quis que eu fizesse mais amigos em Portugal nos últimos 5 anos, desde que fui embora, do que aqueles que fiz e consegui manter durante 23 anos de vida aqui.

 

A vida tem coisas do arco da velha, não tem? 

 

E a moça que me fazia a vida negra no meu antigo trabalho? 

 

Morreu no verão passado, de cancro, com 31 anos. Andava a tentar ser mãe e descobriu um cancro entretanto, que evoluiu muito rápido. Eu soube tudo pelas redes sociais... E quando alguém partilhou a foto dela no perfil dela, com a data de nascimento e data de falecimento, percebi que a vida pode ser muito curta, demasiado curta. E sinceramente, ao ver a foto dela, percebi que já não a odiava. Não por já não estar entre nós, todos sabemos que o cemitério está cheio de pessoas que ainda são muito odiadas - é o caso da minha avó paterna, da qual não podemos falar lá em casa, tal é o ódio que o meu pai lhe tem, e no entanto já faleceu em 2000 - mas porque percebi que o que ela me fez só me ajudou a tomar uma decisão que mudou completamente o rumo da minha vida, e que sem esse rumo que acabei por tomar, não teria tomado a decisão que tomei nestes últimos dias. E não seria quem sou hoje. Obrigada. 

 

Sei que hoje estamos aqui e amanhã já não estamos. Que tudo que sonhamos pode vir a desmoronar de um dia para o outro, e que já esperei tempo de mais para ser feliz... Está na hora. 

 

Decidi a maior decisão da minha vida, hoje, mas também pode não ter importância nenhuma, amanhã. Como quando esperamos durante meses um evento importante e depois o dia chega, e passa super rápido... Dizemos "já passou" e viramos as ideias na direção de outra coisa não é?  

 

Os projectos são assim, a maior parte do tempo não vale a pena fazer um grande alarido, após serem concretizados o cérebro passa para o próximo projecto muito rapidamente. Por isso é que a decisão mais importante a tomar, é a de aproveitar a jornada, aproveitar cada dia como se fosse o último. Porque um dia temos razão. A cada segundo alguém vive o seu último dia em vida na terra. 

 

E sobre Portugal... Cheguei à conclusão que este país não me odiava, nem as pessoas me odiavam, eu é que me odiava a mim mesma. Achei que estar longe era o melhor para mim. E na altura foi. Foi o que precisei para crescer, e talvez ainda precise de estar longe para aprender a amar-me e a descobrir o caminho de regresso até mim. Mas, ultimamente, sinto que estou cada vez mais perto de encontrar esse caminho. E que quando estamos bem connosco próprios, pouco importa o país, pouco importa a casa, pouco importa o salário... 

 

Não sei se já leram o livro O Alquimista do Paulo Coelho? Eu li no ano passado quando fui à Austrália (Já passou um ano? Como assim?), e identifiquei-me muito com o fim. Porque me sinto como aquele pastor. 

 

Sinto que, às vezes, muitas vezes, vamos dar uma "ganda volta", para voltar exactamente ao lugar de onde partimos. Como é que só vi isto agora? Foi a viagem que me mudou e fez-me perceber que, o lugar onde comecei esta caminhada, já era o meu destino. 

 

Sei que estou a chegar a casa.

 

 

5 comentários

Comentar post

Bem-vindos ao meu diário, um lugar seguro onde podemos falar sobre tudo. Já comentaram hoje? Bisou, da vossa dESarrumada.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Diário em fotos

Desarrumações antigas

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D