Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

18
Jan18

Diário de bordo 18.01.2018

Insónia. Cansaço e alguma raiva. Vou falar de um assunto há algum tempo esquecido aqui no blog. A minha vida amorosa.

 

 

Resumindo, ou sou eu que sou muito exigente, ou há situações que, simplesmente, não me enchem as medidas, por mais que tente, por mais que me esforce. Já se sabe que relações à distância são uma merda. Não há forma de negar, não vale a pena meter paninhos quentes. Alguns conseguem, alguns dão o litro para que resulte, conheço uma rapariga que gasta entre 150 a 300€ para ir a Portugal a cada 3 semanas ver o namorado, mas ela mora no Porto, não no interior do país, como eu, ela está em Paris, não no interior de França, como eu... apesar de parecerem detalhes, o facto de passar quase 12 horas em viagem para ver o "mais-que-tudo" já me tira qualquer hipótese de sonhar com voos mais altos que me possibilitassem ir à terrinha mais vezes.

 

Mas não estou aqui para me queixar da minha localização geográfica.

 

Isto seria facilmente contornável se ele quisesse fazer mais. Se ele quisesse ir até Lisboa ou Porto, ou simplesmente organizar algo, um pedacinho de interesse, sem que tenha que ser eu a pensar no assunto, eu a organizar as férias, eu a organizar as chamadas, que são cada vez mais raras. (Ouvir a voz dele a cada 2 meses parece-vos normal?)

 

A inércia de algumas pessoas dá cabo de mim, a sensação de que ele já desistiu e se esqueceu de me contactar, é coisa para destruir uma pessoa. Ao menos que me digam quando a coisa já deu para o torto. Nem que seja uma sms, já não te quero. Amigos na mesma, pá!

 

Eu tentei, juro que tentei, até sugeri voltar para Portugal como era meu desejo há uns meses atrás. Insisti nesta ideia durante meses. Martelei na minha cabeça vezes e vezes sem conta que seria a opção certa, que era o caminho a seguir. Agora já não sei o que quero. Se volto, se fico, ou se me calo para sempre. 

 

Quando as conversas começam a ser só à base de "está tudo bem?" ou "como foi o teu dia?", é hora de saltar do barco, certo? É o chamado - quero voltar p'ra ilha! - e eu já voltava toda contente para aqueles primeiros meses de sonho. Meses em que a relação parecia possível e tudo era palpável. Quando dizíamos "quem quer muito alguma coisa, consegue". Onde estão o raio dessas promessas? Onde se escondeu o optimismo? Onde está o querer avançar na mesma direcção??

 

Fuck. Já arranjaste trabalho aí, não queres que volte porque "estou muito bem aqui", segundo as tuas palavras, e ainda por cima não queres contar à família porque "eles não iam compreender o facto de termos uma relação e não estarmos juntos fisicamente"... moço, não sei que te diga, nem compreendem eles, nem compreendo eu.

 

Vou dormir, que o meu mal é sono. E, se calhar, no meio disto tudo, vai-se a ver e até sou eu que sou demasiado exigente. Mas cada um aceita o amor que acha que merece. E eu acredito que não mereço SÓ isto.

13 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Vamos escolher um nome para o meu vibrador?

Crie seu próprio questionário de feedback de usuário

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O melhor comentário ganha um biscoito!

Diário em fotos aqui:

Mais sobre mim

foto do autor

Desarrumações antigas

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D