Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

07
Abr18

Diário de bordo 07.04.2018

ansiedade.jpg

 

Para vos fazer o ponto da situação, já ando há um mês a sair com o rapaz do Tinder, que daqui para a frente vou chamar de S. As coisas têm corrido globalmente bem, no início as diferenças fizeram-nos chocar um pouco, nomeadamente as visões sobre o dinheiro e as ambições na vida, mas temos conseguido encontrar um equilíbrio e as coisas estão a correr cada vez melhor. Acho que posso dizer que estamos numa relação! E não, não vos consigo dizer já se é o homem da minha vida, mas decidi deixar de procurar isso a qualquer preço e tentar aproveitar o momento presente.

 

Esta semana, tive alta crise de ansiedade com ele aqui. Ele veio cá jantar e depois meti-me a chorar já antes de irmos dormir. Alta crise de choro. Ele ficou meio abananado sem saber o que pensar ou dizer. Digamos que o moço não tem muito jeito com as palavras. Pediu-me para lhe explicar o que se passa e eu como é óbvio não conseguia, só lhe consegui dizer que andava muito triste e sem razão, que andava a pensar procurar uma psicóloga. Ele só me deu um conselho tão simples, mas mesmo tão simples, ao qual eu já pensei tantas vezes, mas nunca consegui meter em prática até ao dia em que ele me disse. 

 

Descansar e dormir mais. 

 

Foi isto. Que antes de procurar quem quer que seja, devia deixar de dormir só 5 horas todas as noites, devia tentar almejar as 7 horas de sono, sobretudo agora que faço muito desporto (mais de 4 vezes por semana de actividade física). Ele disse-me que não fazia sentido eu estar "tão mal", tendo uma "vida tão boa". Eu disse-lhe que era fácil falar quando não se está a passar por elas. Ele disse-me para experimentar descansar mais, e que depois falávamos. Se ainda estivesse mal, aí devia procurar ajuda...

 

Pois bem, desde que tive esta conversa com ele, em que quase recebi um pontapé na bunda para parar de ser parva, as coisas têm andado melhor. Deito-me antes da meia noite todos os dias, deixei de me meter aquela pressão estúpida de fazer montes de coisas antes de ir deitar, e cortei no meu vício do telemóvel. Afinal, seja o que for que se tenha passado nas redes sociais, ainda vai lá estar de manhã.

 

Isto é muito, muito parvo, eu sei. Mas há mais de 3 anos que não dormia tanto, desde terça-feira dormi em 5 dias o equivalente a uma semana e meia... e ando bem, não espectacularmente bem, mas bem. A ter uma vida normal. E como consegui? Pensei para mim própria "a partir de agora o sono é o meu medicamento para a depressão, e respeitar a dose diária é tão importante como comer bem, fazer desporto ou tomar outro qualquer medicamento essencial." Isto mudou o meu mindset, nestes últimos dias deixei de ver o sono como uma perda de tempo, e tem corrido muito bem. Será que é desta que começo a gostar da minha vida?

 

Não percam os próximos episódios 

 

14 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O melhor comentário ganha um biscoito!

Diário em fotos aqui:

Follow

Desarrumações antigas

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D