Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

27
Out18

Como perder uma amiga.

Ultimamente a forma que tenho usado para tomar decisões racionais e menos emocionais é perguntar-me a mim própria: "se tu fosses a tua amiga, que conselho lhe darias nesta situação?" Infalível. Este pensamento já me impediu de instalar apps de encontros vezes e vezes sem conta, e o facto de estar longe delas tem-me feito um bem do caraças.

 

Epah, prontos, a modos que a pensar assim fiz asneira. E não considero que tenha feito asneira, segui o que o meu coração dita para a minha vida, mas apliquei-o na vida dos outros. E só podia dar merda.

 

Recentemente ajudei uma amiga minha (melhor amiga do mundo) a vir trabalhar para cá. No início trabalhámos no mesmo sítio mas agora ela mudou para a cidade ao lado, uma pequena distância que se faz facilmente de carro.

 

Ela veio com o namorado, alguém de quem nunca gostei, é machista, misógino, agressivo, egocêntrico. Tudo que se possa encontrar de negativo num homem ele tem. É a típica pessoa que quando vamos sair é ele que tem que fazer os planos todos, e se alguém quiser, nem que seja por uns segundos visitar algo diferente, ele faz birra a dizer que "ninguém o ouviu, que é um ignorado", etc. E a hora de ida ou volta é decidida por ele, se alguém estiver atrasado já fica de trombas a viagem toda, se alguém quer voltar mais tarde ele vai para o carro e diz "eu vou para o carro, quem quiser que venha comigo, quem não quiser que apanhe um táxi". Pronto. Eu ouço estas merdas e o meu cérebro explode, fico com o coração a mil e na maior parte das vezes (quase todas) calei.

 

Naquele dia, azar dos azares, e como o menino andava a fazer birra porque é sempre ele a conduzir, levei eu o meu carro. Deu merda.

 

Tínhamos saído com com colegas de trabalho e estagiários meus e da minha amiga a um restaurante. Ele não trabalha connosco por isso não tem muita afinidade com as pessoas que estavam lá. Mas já saiu várias vezes connosco e já conhecia as pessoas. Não era um estranho portanto. Epah, não abriu a boca o jantar todo. Estava de birra, como já é habitual nele. Uma pessoa já nem liga, faz a sua vida e ele fica ali num canto agarrado ao telemóvel durante o jantar todo. A minha amiga é uma santa por aturar aquele energúmeno.

 

No fim do jantar, estávamos à entrada do restaurante a conversar, ele sempre agarrado ao telemóvel, vira-se para toda a gente:

"estou cansado, vou para o carro" e virou costas sem dizer boa noite, nem nada...

 

Mas... o carro era meu. E eu nem mexi uma palha quando ele disse aquilo, estava determinada a deixá-lo esperar. A minha amiga que tem medo dele (epah desculpem, mas ter medo do próprio namorado não é para mim). Vira-se para mim e diz em português "olha é melhor irmos embora se não ele fica à espera e já sabes como ele é, vai ficar chateado e depois tenho que o aturar durante semanas".

 

Respirei fundo 10 vezes, contei até 100 mentalmente e despedi-me à pressa de toda a gente e lá fomos. E ele encostado ao carro de braços cruzados a olhar para o relógio a dizer que demorámos muito... disse mentalmente para mim própria "nunca mais me apanhas num jantar contigo". Nesse dia não disse nada, mas no dia seguinte, contra o pedido da minha amiga de não dizer nada, fiz questão de dizer-lhe que não gostei da atitude dele, que o carro era meu e que eu é que decidia quando voltávamos e que a forma como ele se foi embora foi uma falta de respeito para toda a gente.

 

Epah, saiu-me tudo que me andava a passar pela cabeça. Mas... isto correu mal, desde esse dia nunca mais saí com a minha amiga. Ou porque tem coisas para fazer com ele, ou porque ele é que tem o carro, ou porque isto ou aquilo. Há sempre uma desculpa. E todas as coisas que fizemos em grupo só veio ela. Ok, já percebi que o energúmeno não me quer ver. Tudo bem, concordo! Eu também não o quero ver nunca mais à minha frente. A merda da questão é que sinto que "perdi" a minha amiga. Moramos na mesma região, finalmente não estamos em países diferentes, e ele faz sempre alguma merda para que eu não a consiga ver.

 

Estou farta disto, às vezes acho que não devia ter aberto a boca. Mas porra, não podia ficar calada numa situação destas. Foi mais forte que eu. Hoje são ameaças e birras mas... e se amanhã ele lhe bate? Anseio pelo dia em que eles acabem e a minha amiga possa voltar a ser uma mulher livre para escolher os seus amigos. Acabei de escrever esta frase em vésperas de 2019, juro que isto não era um rascunho escrito em 1973.

48 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O melhor comentário ganha um biscoito!

Desarrumações antigas

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D