Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

20
Fev18

A saúde e os números.

Hoje foi um dia de merda no trabalho. Daqueles dias em que nada faz sentido e que uma pessoa chega ao final do dia a sentir que é só mais um número, que afinal está aqui só para contribuir a preencher uma lista qualquer de "doentes vistos" por mês. E sabe-se que aqui (França) os apoios da Segurança Social dependem cada vez mais da actividade que registamos e isso mete-nos uma pressão enorme em cima. Porque se não atingirmos os números a torneira é fechada e os estabelecimentos têm que fechar. Quando a saúde passa a ser só sobre números, e menos sobre pessoas, a coisa começa a descambar.

 

A maior parte dos profissionais de saúde não entrou nas respectivas formações para preencher estatísticas e passar o dia todo a correr a apagar fogos. Quando comecei nunca pensei que iria chegar ao final do meu dia de trabalho e achar que não fiz nada de verdadeiramente significativo pelo outro. Fala-se muito do burn-out nas profissões de saúde, cada vez mais compreendo as pessoas que estão de baixa, quando dizem que chegam a um ponto em que já não ouvem o doente e que só lhes apetece ou desligar e não dizer nada ou começar a gritar com toda a gente.

 

Não fosse isto um blog anónimo e nunca diria isto, mas sim, confesso que às vezes não estou a ouvir o doente. Às vezes já estou a pensar no próximo doente, ou ainda estou a matutar em coisas que o anterior me contou. Às vezes estou a pensar nas transmissões que tenho que escrever, ou na chamada que tenho que fazer, ou na agenda que tenho que organizar. E às vezes saio do trabalho muito mais tarde do que devia porque tenho esta parte administrativa para fazer. Durante o dia não há tempo para parar, pensar e reflectir se o que estou a fazer é o mais correcto, e isto semanas e semanas seguidas. Às vezes perco o fio condutor da minha intervenção, às vezes sinto que não dou o meu melhor. Às vezes vou de férias e penso em certos doentes o tempo todo, às vezes estou em casa na cama e lembro-me que me esqueci de fazer determinada coisa que tinha dito que ia fazer, e que o doente vai pensar que me esqueci dele. E esqueci mesmo.

 

E tenho insónias. E de manhã estou cansada. E depois tiro férias, tento relaxar, mas no último dia de férias já estou a pensar em tudo o que me espera no trabalho e lá se vai o estado zen. E o stress de domingo à noite mais a ansiedade de ter que voltar para um trabalho onde estou constantemente a apagar fogos, desses nem vou falar... às vezes gostava que estas coisas que me acontecem só às vezes, não me acontecessem tão frequentemente. Gostava de ter tempo para exercer a minha profissão. Será pedir muito?

 

12 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O melhor comentário ganha um biscoito!

Desarrumações antigas

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D