Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

31
Jan18

Satisfações diversas.

Para a semana vou viajar para Marrocos e a preparação da viagem tem estado ao rubro! Tenho 10 dias de viagem para enfiar numa mala com capacidade para 50 litros, isto vai testar o meu minimalismo, ai vai, vai. Por isso vou deixar algumas rubricas em suspenso até o meu regresso, que será lá para meios de Fevereiro.

 

Entretanto vou partilhando coisas no Instagram se tiver internet @desarrumada_blog. Passem por lá meus queridos desarrumados!

 

Hoje o dia foi mesmo fraquinho no trabalho. As coisas com o namorado vão de mal a pior. Tenho conseguido manter o peso de 67kg (abaixo dos 70 finalmente, uhuh!), mas depois desta viagem a ver se perco uns 5kg até ao verão, que este ano vou a um festival na praia e tenho que estar "apresentável", alguém adivinha qual vai ser???

 

E pronto, um pequeno resumo da minha vida com satisfações diversas. Estou contente com a vida que tenho, não podia pedir melhor nesta fase que estou a passar, apesar de tudo. No entanto, sei que até ao final do ano vou ter que mudar alguma coisa drasticamente. Ainda não sei bem o quê, mas gostava que fosse o trabalho... vamos ver como correm as coisas.

 

Beijos na bunda! 

30
Jan18

Este vídeo deixou-me a pensar...

... será que uma pessoa só vive com muitas despesas e angústias porque quer? Será que querendo menos e ajustando as expectativas se consegue ter uma vida mais simples mas muito satisfatória? Ando a divagar muito nestas questões há meses e meses, de vez em quando bate a dúvida... Às vezes a frase "I make myself rich by making my wants few" de Henry David Thoreau faz todo o sentido para mim. Já ajustei muitas coisas na minha vida, mas sinto que ainda falta fazer mais, muito mais.

 

 

 

30
Jan18

#ninguémperguntou

Para mim, hoje é um dia importante, como só estes dias que marcam as datas importantes da blogosfera podem ser.

O meu primeiro blog faria hoje 3 anos. O que quer dizer que ando nesta vida de escarrapachar as minhas desarrumações mentais num ecrã há 3 anos, sem tirar nem pôr. Parabéns a mim por ainda cá estar. Obrigada a vocês por ainda estarem desse lado. Este blog trouxe-me mais do que alguma vez imaginei.

28
Jan18

Cheguei a casa.

Pois é. Cheguei a casa do mini-fim-de-semana em Lisboa. Foi tão brutal. Conheci pessoas inesquecíveis num jantar mesmo top! (mas sobre isto venho cá falar mais logo durante a semana). Entretanto já fui à caixa do correio e isso fez-me reflectir um bocado nas seguintes informações que vou já, já, debitar rapidinho...

 

Há 3 coisas difíceis de abrir na vida:

 

Uma tangerina no comboio. É quando ela se lembra de libertar todos os sumos para cima do estofo do banco e quase que perdemos uma vista com tanta acidez. Isto tudo com um senhor africano a olhar para mim fixamente porque estava num daquele lugares para 4 pessoas com mesinha no meio.

 

Um preservativo quando temos as mãos cheias de nhanha. Até c'os dentes aquilo vai. (apesar de eu não recomendar nada irem lá com os dentes. olhem as doenças. olhem os bebés. olhem... bem, se forem fazer um broche ou anal isto não conta.) *post editado

 

Quando chegas a casa de mini-férias ou grandes-férias, ou seja lá o que for, e tens uma carta do banco à tua espera. Posso jurar aqui a pés juntos, preferia mil vezes que fosse a tangerina ou o preservativo.

 

Afinal era só uma atestação do seguro da casa, mas durante o tempo todo em que tive a subir os quatros andares e a ir buscar uma naïfa para abrir aquilo, transpirei que nem uma porca com medo.

 

* NOTA : no primeiro post escrevi esta frase na ordem errada e deu a impressão de que fazer sexo oral e sexo anal não são uma forma de contágio de doenças sexuais! Meus caros, estamos em 2018, já toda a gente sabe, ou devia saber, que o sexo oral e sexo anal podem ser fonte de doenças sexualmente transmissíveis! Já no que toca aos bebés, normalmente com o sexo oral (arrisco dizer) que é quase impossível engravidar, já com o sexo anal é preciso ter cuidado para o esperma não "escorrer" para a vagina, ou não haver contacto do bráulio com a vagina, ou o típico "enganei-me no buraco, toma lá disto". Vá, continuem com as marotices, mas sempre protegidinhos! 

26
Jan18

Desafio das 52 semanas: semana 4

desafio 52 semanas.jpeg

 

Semana 4: As minhas citações preferidas são:

...tenho três textos que gosto muito. Copiei os três para aqui. Boas leituras.

 

 

..............................

Morre Lentamente, de Pablo Neruda

 

"Morre lentamente quem não viaja,

Quem não lê,

Quem não ouve música,

Quem destrói o seu amor-próprio,

Quem não se deixa ajudar.
 

Morre lentamente quem se transforma escravo do hábito,

Repetindo todos os dias o mesmo trajecto,

Quem não muda as marcas no supermercado,

não arrisca vestir uma cor nova,

não conversa com quem não conhece.

 

Morre lentamente quem evita uma paixão,

Quem prefere O "preto no branco"

E os "pontos nos is" a um turbilhão de emoções indomáveis,

Justamente as que resgatam brilho nos olhos,

Sorrisos e soluços, coração aos tropeços, sentimentos.

 

Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho,

Quem não arrisca o certo pelo incerto atrás de um sonho,

Quem não se permite,

Uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.

 

Morre lentamente quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da chuva

incessante,

Desistindo de um projecto antes de iniciá-lo,

não perguntando sobre um assunto que desconhece

E não respondendo quando lhe indagam o que sabe.

 

Evitemos a morte em doses suaves,

Recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior do que o

Simples acto de respirar.

Estejamos vivos, então!"

 

.................................  

 

Um dia aprendes - William Shakespeare
 

"Depois de algum tempo aprendes a diferença, a subtil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma. E aprendes que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começas a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. E começas a aceitar as tuas derrotas com a cabeça erguida e os olhos adiante, com a graça de uma criança e não a tristeza de um adulto.

E aprendes a construir todas as tuas estradas no hoje, porque o terreno de amanhã é incerto demais para os planos (...) Depois de um tempo aprendes que o sol queima se ficares exposto por muito tempo. E aprendes que não importa o quanto te importes, algumas pessoas simplesmente não se importam... E aceitas que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai magoar-te de vez em quando e tu tens de perdoá-la por isso. (…) Descobres que se leva anos para se construir confiança e apenas segundos para destruí-la e que tu podes fazer coisas num instante, das quais te arrependerás para o resto da vida. Aprendes que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo em longas distâncias. E que o que importa não é o que tens na vida, mas o que és na vida. E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher. (…)

Descobres que as pessoas com quem mais te importas na vida são tiradas de ti muito depressa (…) Aprendes que as circunstâncias e os ambientes têm influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós próprios. Começas a aprender que não te deves comparar com os outros, mas com o melhor que tu mesmo podes ser. Descobres que levas muito tempo a tornares-te na pessoa que queres e que o tempo é curto. Aprendes que não importa onde chegaste, mas onde vais. Aprendes que, ou tu controlas os teus actos ou eles te controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.

Aprendes que heróis são aqueles que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as consequências. Aprendes que paciência requer muita prática. Descobres que algumas vezes a pessoa que esperas que te calque quando cais é uma das poucas que te ajuda a levantar. Aprendes que a maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que tiveste e o que aprendeste com elas do que com quantos aniversários celebraste.

Aprendes que há mais dos teus pais em ti do que suponhas. Aprendes que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são tolices (…) Aprendes que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes tens que aprender a perdoar-te a ti mesmo. Aprendes que, com a mesma severidade com que julgas, serás em algum momento condenado. Aprendes que não importa em quantos pedaços o teu coração foi partido, o mundo não pára para que o concertes. Aprendes que o tempo não é algo que possa voltar para trás. Portanto, planta o teu jardim e decora a tua alma, em vez de esperar que alguém te traga flores.

E aprendes que realmente podes suportar... que realmente és forte, e que podes ir muito mais longe depois de pensares que não podes mais. E que realmente a vida tem valor e que tu tens valor diante da vida! As nossas dúvidas são traidoras e fazem-nos perder o bem que poderíamos conquistar se não fosse o medo de tentar." 

 

....................................... 

 

Sobre Raízes e Asas , autor desconhecido ?
 

"O mundo está dividido em diversos tipos de pessoas: as que gostam mais do mar, as que preferem campo. As que esperam o inverno, as que aguardam com afinco o verão.

E existem também as que ficam e as que vão.

Não é fácil ser do tipo que fica, nem do tipo que vai. Por vezes, quem fica sente vontade de ir, já quem vai, sente uma imensa vontade de ficar. É difícil entender que não há possibilidade de ter asas e raízes ao mesmo tempo, ou então jogar a âncora na areia e içar velas. Você faz ou um ou outro. Algumas raras pessoas conseguem mudar, afinal estamos em eterna mudança, mas é difícil aquietar algo que já vem dentro da gente.

Aqueles que ficam sentem-se bem assim, e abandonar – pessoas, lares, cidades, lembranças, é algo muito difícil. Quando a vida os incita a ir, eles preferem continuar ali. Por vezes, são chamados de acomodados – anos no mesmo emprego, anos com a mesma pessoa, nunca deixou sua cidade. E a vida, e o mundo? Esses questionamentos podem mexer com eles, atiçar algo em seus corações, mas quando olham a sua volta, apenas entendem. Podem ir, desde que a condição seja voltar, rapidamente. Eles querem ficar.

Ah, as pessoas que vão… Deixem-nas ir. Não significa que elas não amem, não sintam saudades, não se importem – apenas o coração delas é grande demais, e elas precisam sempre estar em expansão. Quando enclausuradas, sofrem muito. Não cabem em escritórios, não cabem em ternos, não cabem em si – movimento é a palavra de suas vidas. Alguns acham que esse tipo de pessoa é indecisa, inquieta e até frustrada, pois parecem estar sempre em busca de respostas. Não. Na verdade, pessoas que vão não se importam tanto com as respostas – seu combustível é feito pelas perguntas. Questionam o tempo todo, pensam o tempo todo, observam o tempo todo. Encantam-se pela quantidade de maravilhas que o mundo pode oferecer, seja em uma cidade da moda como Paris ou num boteco abandonado de esquina.

Acontece, por vezes, de pessoas que ficam se apaixonarem por pessoas que vão. Daí a vontade de içar e ancorar, criar raízes e voar, correr e ficar parado. Eu poderia aqui escrever conselhos, poderia dizer fica, vai, espera, aceita. Mas nada posso dizer. O amor é movimento, energia, é vida pulsando dentro e fora de nós, e exatamente por isso é muito pessoal. A única coisa que me arrisco em falar é: Sinta. Se permita. Amplie o sentimento, não guarde para si. E aceite o tipo de pessoa que o outro é também. “É difícil aprisionar os que tem asas”, disse o poeta. Também é difícil arrancar os que são feitos de raízes."

24
Jan18

Sexo an(u)al, desta vez com a electricidade e a água.

Chegou a factura da luz. De Março de 2017 a metade de Janeiro de 2018 paguei um total de 262€. O que me fode toda é que desta quantia toda só 88€ é que foram consumo de electricidade. O resto são IVA's, taxas, adesões e outras punhetas que tais. Só me enrabam. E não é daquela maneira boa. Já agora, alguém que mande vir para aqui 1kg de lubrificante que os acertos da água também devem estar a chegar e eu andei com uma fuga no sifão da sanita e lavatório durante mais de 6 meses.

23
Jan18

Colega de trabalho: a loira com óculos de mosca.

Tenho uma colega de trabalho nova há cerca de 3 meses. Ela é polaca, loura, usa um daqueles pares de óculos super grandes - modo mosca/on - e fala de uma forma super sensual, parece que está sempre a tentar engatar toda a gente. Ela só fala de sexo e daquele a quem ela chama, sempre com a mão sob o lado esquerdo do peito, tão carinhosamente de "my man" (vim a descobrir que é um italiano emigrado na Polónia, que anda sempre em viagens internacionais pelo mundo todo e que pelos vistos fode muita bem).

 

Ela tem 35 anos, solteiríssima e tem aquela atitude "I don't give a fuck" estampada no rosto o tempo todo, a postura dela é puro chill, anda lá pelos corredores, entre os quartos dos utentes, como se estivesse numa esplanada com uma caipirinha na mão, e olha para nós com um olhar de escárnio quando lhe falamos em assuntos do trabalho. Usa expressões do género "eu quando chego a casa nunca penso em trabalho", "eu só penso em mim e na minha saúde mental", "não vou aceitar conselhos de pessoas mais jovens do que eu, já levo mais de 10 anos disto", etc.

 

Quase que poderia ser a mulher perfeita relativamente à forma como anda, fala e leva uma vida pessoal tão descontraída. Contudo, no trabalho é a pessoa mais desleixada de sempre, negligencia toda e qualquer função que lhe seja dada, às vezes coisas até relativamente simples, que ela, do alto da sua experiência de mais de 10 anos, devia conseguir fazer com uma perna às costas. Tinha tudo para ser um dos meus ídolos vivos na vida pessoal, pena termos calhado no mesmo lugar de trabalho!

 

Escusado será dizer que ninguém a suporta e já toda a gente quer que ela vá embora... Assim não dá, pá, dái-me algum colega de equipa de jeito, um só que seja, por favor. *


*isto inspirou-me a falar mais sobre os os meus colegas de trabalho... tenho tanto para contar! Fiquem por aí e não percam os próximos episódios...

 

21
Jan18

Diário de bordo 22.01.2018

Às vezes dou por mim perdida no meio dos sonhos e vontades dos outros. Ora é um fim-de-semana ali porque fui convidada e achei que seria giro, ora é uma viagem, ora é uma determinada compra. Às vezes perco-me daquilo que realmente quero e daquilo que realmente me trouxe aqui. Quando dou por mim já estou em piloto automático. É lixado nem sempre saber dizer não. É giro ter feito amigos e saber que estão ali para o que for preciso, mas às vezes deixo de ser eu, para ser o que os outros querem, para os acompanhar. 

Hoje estava sozinha no meu apartamento, como tantos outros domingos, e não consegui ser produtiva. Simplesmente não consegui fazer nada, quando digo nada é mesmo nada. Com tantas coisas a acontecer estes últimos dias e nas próximas semanas, parece que o meu cérebro é uma sopa de informações soltas que tenho que reter, processar e agir. É datas a não esquecer, eventos para marcar, devoluções e contas a controlar, e entre muitas coisas, uma ecografia de controlo aos ovários para a semana. Fechei os olhos, respirei fundo. Imaginei-me daqui a uns anos a ser bem-sucedida, a ser saudável, a estar numa boa relação e satisfeita com os sonhos e projectos que vou seguindo. Só meus e de mais ninguém. Relaxei. Também não foi hoje que o mundo acabou. Amanhã é um novo dia. Boa noite.

 

20
Jan18

Os hits da rádio aqui na France #3

Tirem-me deste filme!

 

O Jul para mim é o rei do auto-tune francês... se é que isso se pode considerar um estilo de música... mas é o que mais se ouve nas músicas dele! Atentem nesta pérola sobre uma mulher "caprichosa" e "ambiciosa"!

 

Não tenho muito mais a acrescentar sobre esta música. Tirem as vossas conclusões!

 

 

 

Beijos na bunda... com muito auto-tune! 

Pág. 1/3

Vamos escolher um nome para o meu vibrador?

Crie seu próprio questionário de feedback de usuário

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O melhor comentário ganha um biscoito!

Diário em fotos aqui:

Mais sobre mim

foto do autor

Desarrumações antigas

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D