Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma dESarrumada

A espalhar o #cagandoeandando por essa internet fora desde 2015.

Diário de uma dESarrumada

A espalhar o #cagandoeandando por essa internet fora desde 2015.

14
Dez17

Às vezes tenho vontade de fazer perguntas parvas.

. Será que os outros também fazem xixi no duche?

. Ainda comem os macacos do nariz quando estão distraídos em frente ao computador?

. Quando dão um pum debaixo dos lençóis também vão cheirá-lo?

. Quando fazem xixi no pior dia do período a água da sanita também fica toda vermelha? E quando vão limpar também vos acontece o sangue escorrer e sujar as mãos?

. Lambem o fundo do pote de iogurte quando ninguém está a ver? 

. Os patos dormem no ninho ou na água? 

. Se o planeta terra é uma pedra a flutuar no universo e foi criada de uma forma que ainda ninguém sabe muito bem explicar, porque é que hoje um senhor me buzinou quando não avancei o carro no exacto milissegundo em que o semáforo ficou verde?

 

(By the way, correu bem a minha viagem de carro à "cidade grande". Descobri como meter no GPS a opção "evitar portagens", considerem-me uma criança feliz.)

10
Dez17

Quando a personagem principal do teu blog morre.

Eu sei que é o 3º post no mesmo dia, dia de arrumações dá nisto, é pena é só me dar destas coisas ao Domingo, quando ninguém está a ler. Prometo que paro de vos chatear em breve. Preciso só de tirar algo do peito aqui num instantinho. Estive a ler alguns posts do meu blog antigo e gostei do que li. Posts divertidos, com ironia, sarcasmo, tudo de bom, portanto. A dESarrumada começou como uma personagem que criei para o blog. Ela era javarda, sarcástica, irónica, sem papas na língua, uma sem vergonha, doida varrida, a melhor amiga que se podia ter numa altura tão difícil para mim. E eu adorava sentar-me em frente ao computador, numa altura em que não tinha amigos nenhuns aqui, deitar abaixo todos os filtros e escrever assim, sem pensar duas vezes em chocar-me ou chocar os outros.

 

 

Ainda me lembro do mítico post lá no início de 2015 em que falei de ter sexo com o período e fiz um apelo aos homens corajosos, os "navegadores do mar vermelho", como eu lhes chamei. E tantos e tantos episódios de caganeira que eu descrevi aqui no blog. Muitos mesmo. Ou quando descrevi as minhas sessões de masturbação a solo. Bons velhos tempos que recordo com carinho, malta. Não sei se ainda há alguém aí dessa época. Se estiverem aí acusem-se! Muitas das expressões da época ficaram na minha memória, e quando penso no que isto de "ser blogger" representa, é nessa época que penso, quando me divertia à brava a escrever deitando abaixo os meus tabus ao mesmo tempo. Foi uma parte muito importante do meu desenvolvimento enquanto pessoa, embora para quem lesse do exterior aquilo parecesse uma mixórdia de temas e posts parvos. A dESarrumada foi uma amiga para mim. Ela ajudou-me a enfrentar os primeiros 2 anos em França e a esquecer o meu ex-namorado, ela foi mais do que terapia, foi através dela que exorcizei os meus medos e que deitei tudo cá para fora. Com ela passei bons momentos, fiz posts literalmente a partir a rir, com lágrimas que caíam no teclado a cada palavra, como por exemplo aqueles em que falava do porno visto pelos olhos de uma mulher, e depois fiz outros posts regados com um tipo de choro diferente, um choro de saudade, um choro de "que merda fui eu fazer à minha vida?". Ela ajudou-me mais do que aquilo que alguma vez vou conseguir agradecer-lhe.

 

 

No entanto, sinto que já não consigo escrever assim, sinto que preciso de começar tudo outra vez, com "outra identidade" aqui neste mundo dos blogs. Não desgosto dos posts que escrevo agora, sinto é que estou numa fase em que amadureço a ideia de criar um blog mais profissional na minha cabeça, e manter este blog mais descontraído tem-me feito bem para espairecer, no entanto acho que antes a minha escrita era mais leve, divertia-me mais com isto. A impressão que tenho quando leio este blog e o antigo é a de ler duas pessoas diferentes, sendo que a primeira é mais divertida e esta deste blog mais "realista", acho. Se calhar não devia ter começado vários blogs, devia ter continuado com o 1º, assim talvez não achasse a escrita tão diferente. O "problema" é que tinha lá muuuuuitos relatos da minha vida sexual da altura e tive receio de ser "descoberta" por alguém conhecido... não sei se já fui descoberta ou não, mas esses posts já não estão visíveis e isso de certa forma reconforta-me, no entanto há toda uma essência deste alter-ego que é para mim a dESarrumada, que foi embora com esses posts. Posts onde escrevia sobre literalmente tudo, sem medos nem vergonhas, como já disse em cima. Agora tenho um pouco de vergonha de dizer certas coisas, admito, daí achar que a essência da dESarrumada se foi, para dar origem a um blog da pessoa real que eu sou. A pessoa da vida real entrou aos pouquinhos no blog e, infelizmente, a personagem que criei foi desaparecendo.

 

 

Num ponto qualquer desta minha vida de blogger abandonei aos poucos a personagem e fiquei só eu. A dESarrumada morreu.

 

 

Sinto que não sou a única a quem isso acontece. Já segui vários blogs que começaram com uma personagem e que vão perdendo a sua essência ao longo do tempo. Alguns continuam e assumem o seu EU real no blog continuando com a sua vidinha na blogosfera. E depois há os outros como eu, os eternos insatisfeitos, os que preferem acabar com tudo do que continuar com um blog que não cumpre a função para a qual nasceu. Já vi bloggers deixarem de escrever de um dia para o outro. Pensei nisso. Mas não consigo fazer isso com os poucos leitores que ainda ficaram... sim, porque aqui o blog perdeu muito em visualizações quando deixei de falar de sexo regularmente. Entretanto, claro, outros leitores chegaram, leitores mais reais, que conhecem o meu EU mais real, e são pessoas de quem eu gosto imenso, pessoas de quem me imagino a ser amiga na vida real, pessoas com quem me imagino a ir tomar cafés. Mas nunca dei nenhum passo nesse sentido, porque este blog era e será sempre para a dESarrumada, e não para mim. Sinto que me apropriei de algo que não era meu. Era dela. E ela já não está aqui. Cumpriu bem a sua função de me ajudar a ultrapassar tudo o que tinha para ultrapassar, mas foi embora, e sinto muito por ela, porque apesar de todos os esforços, não consegui resgatá-la.

 

Façamos o luto da sua alma de badalhoca destemida. E esperemos que um dia ela volte numa manhã de nevoeiro, com o seu dildo de 25 centímetros na mão.

 

IMG_20150110_122817 (2).jpg

Eu na semana em que criei o blog, Janeiro de 2015.

 

10
Dez17

30 Factos Sobre Mim

Decidi fazer uma lista de algumas coisas que talvez ainda não saibam sobre mim.

 

Vamos lá!

 

1 - Sou do signo Touro 

2 - Emigrei com 23 anos para França

3 - Trabalho na área da saúde 

4 - Sou viciada em chocolate ao ponto de ter fases de compulsão e acabar uma tablete sem me aperceber do que está a contecer

(os meus preferidos são Milka, Côte d'Or e Chocolate preto com aroma de menta)

5 - Tenho um namorado que está em Portugal

7 - Vivi 5 anos e meio da minha vida na região de Aveiro

8 - Cores preferidas é o vermelho muito escuro, cinzento e preto

9 - Não suporto a sensação de cortiça a tocar na minha pele

10 - Quero abrir um negócio próprio, não sei é onde, nem quando, nem com que dinheiro e parceiros

11 - Sonho em fazer uma viagem sozinha à Índia

12 - Quero fazer voluntariado internacional na área da saúde da mulher (mulheres grávidas ou na fase pós-parto)

13 - Tenho medo de vir a ser financeiramente responsável pelos meus pais

14 - Luto há alguns anos contra a ansiedade e problemas intestinais

(e só agora começo a aceitar que isto da ansiedade não tem cura e que vai fazer parte da minha vida, o que curiosamente me tirou um peso dos ombros e melhorou a minha situação)

15 - Tenho medo de conduzir em auto-estradas e cidades grandes

16 - Sonho em ter uma casa com quintal e uma horta onde possa ter os meus próprios legumes

17 - Adoro fermentar comida e ando a considerar criar um blog para falar sobre saúde intestinal e saúde no geral

(só falta o nome e a coragem de dar o passo)

18 - Gostava de ser vegetariana porque compreendo as vantagens que isso traz para a saúde e ambiente, mas não consigo largar a carne a 100% porque gosto do sabor dos pratos de carne

19 - Adoro piadas secas e tenho um tipo de humor que não agrada a toda a gente

20 - No início da idade adulta demorei muito tempo a aceitar que a sexualidade faz parte da vida e que não fazia de mim uma futura "má mulher" já não ser virgem

21 - Sonho em ser reconhecida na minha área profissional e ser professora na Universidade

22 - Não consigo ter vontade de ter filhos, pelo menos por enquanto

23 - Não suporto quando as pessoas têm pena de mim porque emigrei e moro sozinha, e isso tem acontecido muitas vezes

24 - Sou feminista, mas ainda não sei bem o que isso implica. Por isso ando a ler sobre esse assunto nas horas vagas.

25 - Tenho mais de 15 livros por ler na minha estante.

26 - Adoro o cheiro dos livros novos (o que pode explicar o ponto anterior)

27 - A minha estação preferida do ano é o Verão, prefiro transpirar que nem uma porca do que tremer de frio

28 - Metam-me numa esplanada ao sol a falar de tudo e de nada e sou uma pessoa feliz

(não tenho muito disso desde que estou em França)

29 - Em algum ponto da minha vida ainda quero morar em Paris antes de regressar a Portugal definitivamente

30 - E se isso não acontecer e não regressar antes, quero passar a minha reforma em Portugal

 

 

Beijo na bunda! 

07
Dez17

A dESarrumada experimenta o minimalismo #3

Posso dizer com toda a convicção do mundo que depois deste post, descobri que sou uma acumuladora. E eu que pensava que era só uma desarrumada do pior.

Porque digo isto? Perguntam vocês...

Ontem quase que chorei ao deitar 3 cuecas fora. Só porque as comprei em Portugal antes de vir para França.

 

Visto bem as coisas, estou 3 cuecas mais perto de ser minimalista. Já estive mais longe, portanto.

 

06
Dez17

Não consigo ficar triste hoje.

Querido diário, já me apercebi que fico mais triste e deprimida quando volto para França depois de passar férias em Portugal. Normalmente esta situação dura sensivelmente 2 meses. Dois meses em que "morro" de saudades, dois meses em que sofro de ansiedade constante, medo de "nunca mais lá voltar", medo de não realizar todos os projectos que me passam pela cabeça quando lá estou.

 

Dois meses depois e tudo passa. Parece que a mente esquece os cheiros, as vozes, os lugares. Parece que tudo está a uma distância enorme, a vida continua, outros projectos surgem, eles estão lá e eu estou cá. Sinto que ir lá (às vezes) só me faz mais mal do que bem. No momento estou óptima, mas quando volto passo por umas semanas horríveis, em que só penso em voltar. Sinto que ir lá várias vezes por ano interrompe o meu processo de luto, o luto que tenho vindo a fazer por ter escolhido sair do país e deixar tanto para trás. Adoro ir e ver a família, os amigos, tudo. Mas isso tudo também me provoca uma dor danada. Deixa-me um sabor doce na boca que depois se vai transformando em azedo.

 

Hoje sei, eu sou a alma que tenho no corpo. Eu vivo no momento presente. Não me serve de nada estar a pensar no amanhã ou no ontem. É seguir em frente. É saber que enquanto me tiver a mim mesma tudo vai correr bem, seja em que país do mundo for. E não caio em ilusões, em sonhos e devaneios de que no estrangeiro vou ser isto e aquilo. Caí na real, como dizem. Sei hoje que o que importa na vida são os pequenos momentos diários, as pequenas conquistas. Não adianta ter sonhos de grandeza, não adianta estar sempre na ânsia de subir a montanha, subir, subir, e depois de chegar lá em cima ver que está nevoeiro e que a vista cá em baixo é que é a mais bonita.

 

Hoje sonho com os dias de paz que tenho tido. Não me interpretem mal, se quiser escolher muita coisa que está a correr "mal" eu consigo dizer umas quantas. É muita confusão no trabalho com a pressa para fazer "números", é preciso ver cada vez mais doentes em menos tempo, é muitas situações de mal-entendidos com colegas, mais as coisas com o meu namorado que não têm estado bem. Muita coisa está a correr mal, mas eu escolhi estar em paz. Tenho duas pernas, dois braços, posso comer, respirar, sou independente moral e financeiramente, moro na Europa (e isso é uma sorte dos diabos, uma pessoa às vezes nem pensa), posso ir para onde quiser, posso sonhar com tudo que quiser. Sei que o dia de amanhã vai chegar, o sol ainda vai brilhar muitas e muitas vezes ao longo da minha vida, espero. Por isto tudo hoje digo obrigada. Amanhã tudo poderá ser diferente e posso cair no fundo do poço outra vez. Mas hoje estou em paz e mesmo que quisesse arranjar motivos para estar triste, não conseguiria.

 

05
Dez17

O Sapo está louco!!!

Dois destaques na mesma semana??? Não pode ser!!!

 

Ai, pode, pode! Aqui e aqui.

 

Obrigada Sapo, vocês são uns fofuxos!! E de vez em quando lá vêm contribuir para as montanhas do Everest no meu gráfico das estatísticas - sim, porque aqui o barraco só tem visualizações de jeito quando há um destaque - mas mudando de assunto, já me habituei à ideia e sigo em frente com as bacoradas do costume.

 

Continuem a seguir isto porque de vez em quando até acontece eu dizer algo inteligente. Prometo.

 

Beijo na bunda a todos

(excepto aos que não votaram em mim nos Sapos do ano,
a esses eu dou beijinho no ombro)

 

 

02
Dez17

E é isto. Está muito frio.

Ontem nevou! Iupi! Deixei fiambre no carro o dia todo e não tive medo. Sabem porquê? Acabei de o comer e estava mais fresco do que quando o tiro do frigorífico. Estou a pensar descongelar o frigorífico no Inverno porque no Verão não tenho onde deixar as coisas do congelador. Esta semana basta-me pôr tudo na varanda e as coisas nem vão ter tempo de descongelar. Afinal há que tirar proveito deste frio.

01
Dez17

6 tipos de pessoas que eu observo no estacionamento do supermercado.

Depois de uma vaga de deprimência aqui no blog, tive assim de repente saudades de escrever posts com listas. Parvoíces queres tu dizer?? Isso mesmo! Se vocês tinham saudades, eu não sei, mas tinha que partilhar isto com vocês. Já não me aguentava com tanta ansiedade. Vamos a isso? Botaaaa!

 

Estava eu muito sossegada no estacionamento do supermercado, antes de ir para o ginásio, enquanto observava algumas pessoas características :

 

1) O malabarista: esta é aquela pessoa que muito provavelmente se esqueceu do saco em casa, e para poupar uns cêntimos decidiu testar a sua capacidade de preensão manual e ver quantas compras consegue carregar com duas mãos. Isto não é para os fracos, já dizia o outro, só dos fortes reza a história. Carregar uma embalagem de 6 garrafas de litro e meio de água, 3 caixas de bifes de peru e escalopes de vitela, 2 pacotes de cereais, iogurtes q.b. mais um saco de cebolas e outro de cenouras não é para meninos. Há quem prefira morrer a tentar esta proeza do que ter que voltar uma segunda vez à loja. Ou pior: comprar um saco.

 

2) A mãe alvoraçada: estão a ver o filme, a mulher de cabelo atado num carrapito, calças largas para ser mais fácil fugir da loja mais facilmente caso algum filho decida fazer uma puta d'uma birra. Normalmente vai um puto sentado no carrinho, outro está empoleirado na parte da frente a gritar "Oh mãããããe, podemos levar este pacote de batatas fritas? Podemos? Podemos?" "Não". "Mas porquêêêêêê???" E a birra começa. Entretanto o terceiro filho que já tem 7 anos e anda a correr por todo o lado já foi contra 4 pessoas enquanto lança o pacote de gomas para dentro do carro, qual Michael Jordan, e quase deita abaixo uma velhinha em andarilho. Quando chegam ao estacionamento, a mãe demora mais tempo a amarrar os filhos todos às cadeirinhas que propriamente a meter as compras no carro.

 

3) O casal apaixonado: ele leva a garrafa de champanhe, ela a caixa de morangos. Dão um linguado assim que entram no carro e depois arrancam. Esta podia ter sido eu a inventar, mas vi tudo com estes olhinhos que a minha mãe me deu. Alguém facturou naquela noite, e não fui eu.

 

4) O alcoólico: o senhor barbudo que cheira mal pr'a xuxu e que vai todos os dias ao supermercado comprar uma sanduíche daquelas já preparadas e uma garrafa de vinho. A qual nós sabemos perfeitamente que ele vai beber sozinho.

 

5) O casal de velhinhos: fizeram as compras do mês. Trazem o carrinho cheio a rebentar pelas costuras. Lá pelo meio conseguimos ver a cabeça de 6 baguetes que sobressaem por cima dos sacos todos. Há muitas guloseimas para os netinhos (ou para eles... olá diabetes!). Demoram muito tempo a chegar ao carro, ela vai na frente, ele vai a sofrer bastante para puxar o carrinho sozinho atrás. Ela fica à espera que ele chegue para abrir o carro (porque o homem é que tem a chave do carro). Ele é que mete tudo no carro enquanto a velhota resmunga que ele é muito lento. Antes de ele acabar de meter tudo já ela está sentada no lugar do passageiro, porque "está frio". Ele demora outra eternidade a ir meter o carrinho e recuperar a moedinha. Vão embora, saem do estacionamento muito calmamente. Está tranquilo, está favorável.

 

Entretanto eu já acabei a minha tablete de chocolate, dou à chave, meto a primeira e vou para o ginásio. Eu sou o sexto tipo de pessoa, aquela que sai do supermercado e fica a comer o que acabou de comprar no carro. Não sou a única, aposto que não estou sozinha. Gulosos acusem-se.

 

Beijo na bunda 

 

Pág. 2/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O melhor comentário ganha um biscoito!

subscrever feeds

Diário em fotos

Desarrumações antigas

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D