Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lol . lifestyle . paleo . badalhoquices . coisas de gaja .

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lol . lifestyle . paleo . badalhoquices . coisas de gaja .

24
Dez17

Coisas várias que se ouvem no jantar da consoada #2

"Às vezes tenho vontade de mijar antes de me deitar, mas até fecho os olhos com força para ver se a vontade passa porque tenho preguiça de sair da cama." "O teu avô podia ter cortado o cabelo, agora parece um espantalho." "Eu já nem gosto de padres, que Deus me perdoe." "Então eles agora é que se vêm queixar, andaram todos a comer o dinheiro durante anos, agora que vão todos apanhar na peida." "É tudo uma trafulhice. Pedem e não sabem para quem." "Agora que sou licenciado só quero que me tratem de Engenheiro para cima." "Aquele homem está sempre bêbado, as escadas do café ainda as sobe, mas para as descer o vento já é outro."

24
Dez17

Coisas várias que se ouvem no jantar da consoada.

"Amanhã também é dia, agora já tenho o pandeiro cheio." "Já comi que nem um padre." "Os sírios ainda têm a luz acesa, se os antigos donos daquela casa voltassem a este mundo e vissem lá os sírios até se benziam." "O cruto da igreja por cima dos sinos fui eu que o andei a pintar há muitos anos." "A irmã não quis que a Rata fosse enterrada na mesma campa que o marido. Agora ficaram os dois em buracos diferentes." "Cá cresceu, cá se casou, mas ela é mais nova que eu e eu não cresci cá. Eu vim para cá servir nas terras, conheci o teu avô e cá fiquei com este esmaltelho." "A tia Arminda tinha um cão que cagava no fundo das escadas e ela não limpava nada. Ela ia dormir e no dia seguinte a merda ainda lá estava." "Eles é que se governavam bem, ele vinha da Suíça e dava borregos a toda a gente."

20
Dez17

O passaporte chegou.

Recebi o meu passaporte. Nele vem escrita a frase de Luís de Camões "Esta é a ditosa pátria minha amada". Isto fez-me pensar que muitas vezes os portugueses associam o seu país à palavra amor. E não vejo muita gente de outros países a fazer o mesmo.

 

Tenho colegas de várias nacionalidades, nunca ouvi nenhum dizer que quer voltar para o seu país por amor. Alguns dizem que é pela família, outros dizem que é pelos amigos, poucos dizem que é por amor, só. Não sei se me faço entender.

 

No outro dia em Paris conheci uma americana, andava a fazer uma viagem sozinha na Europa e a visitar vários países. Quando ela começou a falar da viagem ainda não sabia que eu era portuguesa. Atentem no que ela me disse. Em inglês ela lá me explicou que estava a achar Paris linda, as luzes, os monumentos, tudo, que também tinha apreciado bastante estar em Espanha. Mas que a cidade preferida dela tinha sido Lisboa, e rematou dizendo "I love Portugal, if I could I would live there".

 

E foi isto. Num primeiro instante ela não descreveu os monumentos, não falou do clima, da comida ou das pessoas. Como acabou por fazer depois quando soube que eu era portuguesa. Antes de saber o que quer que fosse ela disse de forma espontânea "Eu amo Portugal".

 

E é isto... o que é que este país tem que nos faz amá-lo tanto? Porque é que sinto que o amor por Portugal cresce na parte de dentro das pessoas de forma irracional, em vez de entrar calmamente com argumentos bem pensados e racionalizados? Falei recentemente com um casal de franceses reformados que vai mudar-se de armas e bagagens para Portugal. E quanto tempo estiveram em Portugal antes de tomar a decisão? Uma semana. Pois é meus caros, uma semana chegou para tomarem uma das maiores decisões da vida deles.

 

Quando se gosta de Portugal, gosta-se porque sim. É amor à primeira vista. E isso para mim é motivo mais do que suficiente.

 

A precisar de recarregar baterias. Faltam 2 dias.

 

19
Dez17

Culpa e dinheiro.

Algo com que tenho lidado ultimamente... Já alguma vez fizeram uma grande asneira com dinheiro em que só se tenham apercebido mais tarde?

Aquela sensação de: "se não tivesse feito isto naquela época ou acolotro completamente desnecessário com aquele dinheiro, agora poderia ter muito mais de lado e seguir a vida com outros planos..."

 

Como lidam com a culpa?

17
Dez17

Estamos todos condicionados?

Este fim de semana estive em Paris. Fiquei num hostel todo podre em que o aquecimento não chegava para os meus belos cubos de gelo, a que as outras pessoas costumam chamar de pés.

 

Na sexta feira à noite, desgraça das desgraças, não tomei banho antes de sair de casa esperando encontrar um duche como deve ser lá no hostel e poder demorar "um tempinho", e não é que dou de caras com um chuveiro daqueles em que é preciso carregar no coiso de 15 em 15 segundos, com água gelada! Na recepção tinham-me dito que era preciso insistir, insisti, juro que insisti, mas a água estava gelada. Já farta de esperar e sem vontade de me vestir para ir à recepção reclamar, decidi começar o banho com água gelada. Meus caros, se eu fosse um homem até a pilinha me caía com tanto frio, juro. Já quase no fim do banho ela ficou quente, fuck my life.

 

Isto tudo valeu-me uma valente tosse no sábado e uma sensação de "calor estranho" no domingo. Achei que poderia estar com febre, mas como já não tenho febre há anos decidi ir comprar um termómetro numa farmácia ao lado da estação de Montparnasse. Pedi um dos mais baratos, sim, porque aqui na terrinha tenho vergonha de mostrar a minha forretice, mas em Paris 'tou-me 100% a lixar se pareço forreta ou não. E ela deu-me um de 4,90€, para crianças. Só havia duas cores, cor-de-rosa e azul. Ela deu-me o cor-de-rosa sem sequer me perguntar que cor preferia. E se não fosse para mim? E se eu gostasse mais do azul?

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O melhor comentário ganha um biscoito!

Diário em fotos aqui:

Follow

Desarrumações antigas

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D