Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma dESarrumada

Diário de uma dESarrumada

17
Abr17

Ao telefone com a mãe #7

Os meus pais são muito novos, ainda não chegaram aos 50, e ainda lhes falta uns aninhos. Mas já decidiram que não querem ter mais filhos - claro, depois de me terem a mim e ao meu irmão qualquer casal ficaria relutante - por isso a minha mãe toma a pílula. Para já nem sinais de menopausa.



Ela está farta da pílula, o meu pai está farto do preservativo quando, por acaso, há um esquecimento. Eis então que vieram a mim, numa conversa Skype, em busca de conselhos e sabedoria.


 


Perguntaram-me o que acho de laqueação de trompas ou vasectomia. Sugeri a vasectomia porque é a que apresenta menos riscos para quem a faz (relativamente a anestesia, tempo de internamento, etc). O meu pai ficou com medo porque pensava que ia ficar sem os tintins.


 


E foi assim que passei uma hora da minha noite de Domingo: a explicar aos meus pais o que é uma vasectomia.


 


 


dESarrumada,
a ter uma relação estranha com os pais desde 1991

16
Abr17

Pirei de vez.

Quem me vai conhecendo aqui na blogosfera sabe que sou viciada em chocolate. Quando digo viciada não é exagero. Quando estou 24 horas sem consumir chocolate fico com sintomas de abstinência, trepo paredes, só penso naquilo.


E pronto, a modos que pirei de vez, é desta.


Na quinta-feira à noite comi uma tablete de chocolate inteira antes de ir deitar... hábito que tenho vindo a desenvolver desde que sou gente, desde que me conheço... e fiquei mal disposta pelo pico de insulina, já estou habituada, é uma sensação que conheço bem e da qual penso estar dependente.


Desta vez foi diferente, tinha acabado de ver um documentário sobre alimentação e a influência do consumo de açúcar no desenvolvimento de cancro.


Tenho cinco casos de cancro na minha família próxima, avô com cancro do intestino, avó com leucemia e três tias com cancro da mama. Deitei aquele papel no lixo, qual maço de tabaco vazio, e prometi a mim própria que não volto a comprar uma tablete de chocolate para comer sozinha.


Já lá vão 72 horas.


 

15
Abr17

Acho que às vezes sou muito drástica...

 


Como o título deste post já diz, acho que às vezes sou muito drástica nas minhas decisões. Sobretudo no que toca a relações profissionais e de amizade.


 


Neste caso refiro-me a oscilar constantemente entre ser alguém que só vê qualidades no outro passando imediatamente a "amar" a pessoa, ou só ver defeitos, não reconhecer qualidades e passar a não "suportar" a pessoa, a pontos de querer cortar a relação pela raiz.


 


Ando a sentir isto com uma amiga, que é também colega de trabalho. Sempre tivemos maneiras de pensar diferentes, mas sinto que ultimamente este meu sentimento piorou desde que ela teve um filho (sim, já falei nela aqui, é a moça que me ofereceu um alho-porro no Natal!)


Estou naquela fase em que tudo que ela diz me irrita, sobem-me aqui uns arrepios na espinha e só tenho vontade de lhe responder torto. Controlo-me como é óbvio, também não sou nenhum animal.


 


Aqui é que surge o meu "problema interno" - um de muitos by the way - admito que quando alguém pensa de uma forma completamente diferente de mim torno-me em alguém pouco flexível, e não consigo ter tolerância, inteligência emocional, presença de espírito ou como lhe queiram chamar, suficiente para aguentar a personalidade da outra pessoa.


 


Já acabei muitas amizades por causa disto. E é chato, muito chato. Sinto que se tivesse tentado compreender mais um pouco, se tivesse tentado meter-me nos sapatos do outro a coisa até podia ter corrido melhor. Acabo por ficar a sentir que a culpa foi inteiramente minha... mas a verdade, digam-me se estiver errada, é que quando há um afastamento a culpa é dos dois, certo? Se eu deixar de falar tanto e se o outro não me procurar, é porque provavelmente também estava à espera do corte, não é?


O facto das pessoas de quem me afasto nunca virem tentar falar comigo acaba por validar a minha atitude de cortar completamente... mas é difícil livrar-me da dúvida... e se tivesse tentado mais um pouco? E se tivesse enviado aquele convite ou feito aquele telefonema?


 


Só dúvidas, só insegurança.


 


Resumindo, este post é para vos dizer que isto das relações inter-pessoais é um assunto que me faz sofrer imenso e gostava de saber a vossa opinião. Sinto que não sei lidar com pessoas, ainda pior se forem muitas e principalmente se o meu grupo de amigos começar a aumentar e todas as pessoas se conhecerem... Não sei lidar com grupos, pronto. E não sei como reagir quando há uma pessoa do grupo que, pelo menos na minha cabeça, parece desestabilizar toda a dinâmica dos acontecimentos... sejam eles uma viagem, um fim de semana algures ou até simplesmente organizar um jantar em casa de alguém. Quando todos querem azul e há alguém que quer (constantemente) amarelo, já é o suficiente para eu ferver cá por dentro e ficar com vontade de mandar todos os planos para o ar.


 


Mas a vida é isto. E só porque estou a ferver por dentro não posso mandar uma pessoa para a merda, pois não? "Só" porque ela pensa de forma diferente... "Só" porque tem outra visão da vida.


 


Por isso decidi que vou calar-me, vou aguentar o que quer que seja que a próxima viagem juntas reserve e depois logo se vê. Será que crescer é isto? Ou é simplesmente ser parva?


 

12
Abr17

Aquele momento em que consegui descrever, sem querer, o meu chefe com uma exactidão de mestre.

Acabei de escrever no blogue da Sara (que btw, na minha opinião, é um dos blogues mais engraçados e genuínos do pedaço!) a seguinte expressão:

"achas que sabia que ia ter um chefe que é um colhão com pernas?"

E cheguei à conclusão que é exactamente isso que ele é. Sem tirar nem pôr. Um colhão com pernas. Às vezes lá vai mostrando um bom coração, mas é só quando lhe cheira a algum benefício para ele. De resto é um saco flácido, com dentes podres dos 2 maços de tabaco que fuma por dia, cheio de ideias peregrinas, que anda para ali a balançar as mãos vazias, do alto dos seus quase 2 metros,  tal e qual um flamingo. 

(só um aparte para explicar a parte do flamingo: onde trabalho usamos fardas cor-de-rosa!).

E era isto.

12
Abr17

Coisas que a minha avó da serra diz #8

E não é que a mulher (que é uma papa-televisão) decidiu comprar o Activa T para as dores de joelho crónicas provocadas por uma artrose?


 


Conversa dela com a minha mãe:

Minha avó: "Ai filha, aquilo não me fez nada. Meti o dia todo e continuei com as mesmas dores de merda!"
Minha mãe: "Oh mãe, mas aquilo não diz lá que é só para usar 2 horas? Porque meteu isso o dia todo??"
Minha avó: "Só me lixam dinheiro estes gatunos da televisão! O tio Manel nem tirava isso para dormir e parece que ficou bom da dor asiática!"


 


By Avó Maria,


uma mulher da serra


 


12
Abr17

E lá fui eu.

Só hoje consegui vir falar do fim de semana que tive. Não que não tenha muito para dizer, porque tenho bastante, mas sim porque o regresso ao trabalho foi uma correria, foi um precipitar de coisas para fazer, com um chefe que está de férias... e às vezes damos por nós a assumir algumas responsabilidades de organização de equipa, para as quais não me candidatei nem nunca quis ter...


 


Pois bem, o fim de semana foi bom. Foi perfeito. Senti-me a voar numa nuvem, daquelas de algodão branquinho e que cheiram a baunilha. Mas antes que isto fique muito parolo, só quero dizer que estes 4 dias com ele foram o suficiente para esquecer todas as preocupações da minha vida imediata e daquela que há-de vir. Cerca de 48 horas de Primavera equivaleram em horas de Verão (daquelas que nunca mais acabam) a 15 dias bem passados - pelo menos no mundo que idealizei na minha mente - com direito a sol, esplanada e belos passeios em jardins formidáveis durante a golden hour.


 


Ai, se pudesse encontrar-te um defeito tudo seria mais fácil. Serias só mais um. Mas não, tinhas que ser perfeito, só para meter nojo e virar a minha vida de pernas para o ar.

07
Abr17

A dESarrumada também adere à Follow Friday #1

dESarrumada porque é que nunca fizeste uma Follow Friday? Não sei! Mas acho que vou entrar nesta onda. Ora vamos lá? Vamos!


 


Sendo esta sexta-feira muito especial decidi destacar um blog que fala sobre temas que me têm ocupado bastante tempo de leitura ultimamente... são estes a simplicidade voluntária, um estilo de vida mais zero waste e minimalista!

Falo-vos do blog da Margarida: 


 


A arte da simplicidade.


 


Ela é uma querida, ela escreve bem, ela fala de temas oportunos e extremamente relevantes na actualidade!


 


E temos algo em comum, a emigração! O que quer dizer que em determinado momento da nossa vida apanhámos um avião que mudou tudo! Ora dêem uma vista de olhos para descobrirem mais sobre ela, e subscrevam, se quiserem, tanto o blog como a página do Facebook.


 


Não se vão arrepender!


 


Beijos na bunda (ecológicos!) 


 


 

Bem-vindos ao meu diário, um lugar seguro onde podemos falar sobre tudo. Já comentaram hoje? Bisou, da vossa dESarrumada.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds

Diário em fotos

Desarrumações antigas

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D