Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

Diário de uma desarrumada

. desarrumações . emigração . humor parvo . lifestyle . badalhoquices . coisas de gaja .

18
Nov18

Olá.

O colhão com pernas foi embora esta quarta-feira. Fiquei com lágrimas nos olhos o dia todo, e ele veio dizer-me adeus, deu-me dois beijinhos e tudo... houve pessoas a quem ele nem disse um simples adeus... por isso até fiquei contente por ter tido a honra de receber uma despedida oficial. Talvez o meu trabalho até tenha contado alguma coisa para ele. Já se sabe, sonhar não custa...

 

Foi tão estranho olhar para a secretária dele e ela estar vazia, sem as pilhas de papéis e tralha que costumavam estar em cima dela. Talvez seja uma espécie de síndrome de Estocolmo ou algo do género, mas até vou ter saudades dele, de o ver a pavonear-se todo lá pelo local de trabalho, com aquela farda cor-de-rosa que nós usamos. Foi o mais próximo que eu estive de ter um flamingo insuflável na minha vida. Inchado de orgulho para esconder a baixa auto-estima. Num cargo de poder que foi obrigado a aceitar. Sem ser talhado para o exercer.

 

Que pena quando pessoas, que até são boas pessoas, mas emocionalmente desequilibradas, acabam por ter cargos com poder a chefiar equipas. Não sabem gerir-se emocionalmente, não sabem lidar com os problemas da equipa nem gerir outras pessoas, deixam que um pequeno conflito se torne num drama de um mês, ou vários. Porque alimentam intrigas, porque entram no diz-que-disse. Pudessem todos os chefes ser íntegros e imparciais e o mundo do trabalho seria um lugar tão mais feliz. 

 

A verdade é que com flamingo ou sem flamingo tenho que continuar a ir trabalhar. E já "só" faltam 7 meses para acabar o contrato que assinei com eles. Tic-tac-tic-tac. O tempo está a passar e eu estou quase a pirar-me. Entretanto solteira e boa rapariga tenho andado concentrada em mim. Só em mim mais ninguém. Bem, talvez não esteja inteiramente sozinha, o António Vibrações tem sido um companheiro de todas as horas. Firme e hirto como só ele sabe ser, a animar-me quando mais preciso, tem sempre uma palavra amiga para me deixar feliz. Que sensação libertadora esta de saber que posso viver sem um homem...

 

Oh céus. Tantos projectos, tantas coisas que ainda quero fazer nesta vida. Talvez um mestrado, talvez uma formação de 5 anos, talvez um retiro espiritual no Nepal, talvez uma roadtrip na Europa. O cérebro fervilha de ideias de viagens, coisas para fazer, livros para ler. A ansiedade não tem morado aqui e que bem que sabe estar afastada desta moça, por uns tempos. Mas ela volta, e que volte, cá estarei de braços abertos para a receber e até lhe pago um café. É isto a verdadeira liberdade, estarmos conscientes de nós mesmos. Saber como vamos reagir a determinada situação e o que vai fazer disparar a ansiedade, e saber acalmá-la, sem a extinguir completamente, como se fosse uma amiga de longa data que de vez em quando passa só para dizer "olá".

11
Nov18

Píromano ou pirómano?

Que fim de semana de chuva do caralho. Uma pessoa está para aqui em casa, a única vez que saí foi ontem para ir fazer umas compras e ir ao cinema. De resto foi destralhe, limpezas e outras coisas do género. Estou a fazer uma cena à la Marie Kondo e estou a analisar as minhas roupas de fio a pavio para deitar fora / doar / dar, aquilo que já não uso! Não tem sido fácil. Mas o pior... o pior meus caros é o papel! Aiiiii... já disse isto várias vezes aqui no blog, o meu problema é os papéis! Juro que às vezes apetece deixar uma vela deliberadamente acesa ao lado de tudo que é facturas, recibos de salário, facturas de carro e outras coisas do género e deixar tudo arder. Olhar para aquilo qual pirómano sedento de chamas. Mas num posso. Sou, supostamente, um ser útil na sociedade que precisa de um dia enfrentar a autoridade tributária com uns 10 mil recibos de pagamento de salário debaixo do braço e provar por A + B que mereço receber mais 20€ de reforma porque eles se esqueceram de contabilizar o período compreendido entre abril de 2015 e outubro de 2017. Mas isto tudo é um suponhamos como dizia a outra. Pelo sim pelo não guardo tudo. 50€ dá jeito para comprar os medicamentos para as dores das cruzes quando me reformar. Tirando isto está tudo bem. Estou com um blogger's block do camandro e não me apetece escrever sobre nada sério. Ainda bem que a dESarrumada (essa foooofa!) está aqui para levar com as minhas neuras. Mas ovulei há uns dias e meu deus, um gajo, oh senhores, já anda a fazer falta. Não digo porquê. Vou deixar vocêses adivinharem. E com o o corrector do sapo aprendi que pirómano é com acento no "o" e não no "i" como eu sempre pensei. Passei 27 anos e meio da minha vida a dizer mal esta palavra. Crianças, fica aqui o conselho da tia dESarrumada, usem o corrector. Faz bem à saúde mental de quem escreve e à saúde ocular de quem lê. De nada.

05
Nov18

Desabafos sobre essa distância que me corrói a alma...

Não é fácil manter uma relação à distância... e isso é algo que infelizmente fui aprendendo com a emigração. Em 2016, depois de uma relação à distância falhada, tinha prometido que seria a última relação deste tipo. Mas conheci-o, e acreditei que podia ser ele "o tal". Decidi continuar e tentar mais uma vez. Há quase um ano que ando nesta vida de Whatsapp, Skype, etc. 

Juro. Tentei tudo, dei tudo que tenho, esvaziei a alma nestas tentativas. Juro que continuo a tentar. Mas não tem sido fácil lidar com a falta de respostas da parte dele... um simples está tudo bem não me chega, nem nunca vai chegar. Gosto de conversas mais completas, gosto de assuntos mais desenvolvidos, mas também sei que quanto mais tempo se passa longe, menos se tem a dizer. Depois chegam as dúvidas, e das duas uma, ou sou eu que sou muito carente ou há um afastamento que se está a instalar pouco a pouco, qual erva daninha que vai crescendo num terreno recém cavado.

Hoje, podia falar primeiro como tenho feito todas as noites, podia insistir mais uma vez, mas hoje não o vou fazer. Hoje vou deixá-lo ter saudades. E amanhã será um novo dia. E talvez eu, depois de uma noite de descanso, já esteja mais calma e veja a vida com outros olhos...

 

 

3 de Novembro, 2017.

Um post que estava aqui guardado nos rascunhos e que nunca cheguei a publicar...

...escrito 3 meses antes do fim.

Já se passou um ano desde que comecei a ter dúvidas.

O tempo passa mesmo depressa.

Nunca mais falámos.

Apesar de tudo, e da vida que tenho conseguido viver sozinha,

tenho saudades dele.

 

27
Out18

Como perder uma amiga.

Ultimamente a forma que tenho usado para tomar decisões racionais e menos emocionais é perguntar-me a mim própria: "se tu fosses a tua amiga, que conselho lhe darias nesta situação?" Infalível. Este pensamento já me impediu de instalar apps de encontros vezes e vezes sem conta, e o facto de estar longe delas tem-me feito um bem do caraças.

 

Epah, prontos, a modos que a pensar assim fiz asneira. E não considero que tenha feito asneira, segui o que o meu coração dita para a minha vida, mas apliquei-o na vida dos outros. E só podia dar merda.

 

Recentemente ajudei uma amiga minha (melhor amiga do mundo) a vir trabalhar para cá. No início trabalhámos no mesmo sítio mas agora ela mudou para a cidade ao lado, uma pequena distância que se faz facilmente de carro.

 

Ela veio com o namorado, alguém de quem nunca gostei, é machista, misógino, agressivo, egocêntrico. Tudo que se possa encontrar de negativo num homem ele tem. É a típica pessoa que quando vamos sair é ele que tem que fazer os planos todos, e se alguém quiser, nem que seja por uns segundos visitar algo diferente, ele faz birra a dizer que "ninguém o ouviu, que é um ignorado", etc. E a hora de ida ou volta é decidida por ele, se alguém estiver atrasado já fica de trombas a viagem toda, se alguém quer voltar mais tarde ele vai para o carro e diz "eu vou para o carro, quem quiser que venha comigo, quem não quiser que apanhe um táxi". Pronto. Eu ouço estas merdas e o meu cérebro explode, fico com o coração a mil e na maior parte das vezes (quase todas) calei.

 

Naquele dia, azar dos azares, e como o menino andava a fazer birra porque é sempre ele a conduzir, levei eu o meu carro. Deu merda.

 

Tínhamos saído com com colegas de trabalho e estagiários meus e da minha amiga a um restaurante. Ele não trabalha connosco por isso não tem muita afinidade com as pessoas que estavam lá. Mas já saiu várias vezes connosco e já conhecia as pessoas. Não era um estranho portanto. Epah, não abriu a boca o jantar todo. Estava de birra, como já é habitual nele. Uma pessoa já nem liga, faz a sua vida e ele fica ali num canto agarrado ao telemóvel durante o jantar todo. A minha amiga é uma santa por aturar aquele energúmeno.

 

No fim do jantar, estávamos à entrada do restaurante a conversar, ele sempre agarrado ao telemóvel, vira-se para toda a gente:

"estou cansado, vou para o carro" e virou costas sem dizer boa noite, nem nada...

 

Mas... o carro era meu. E eu nem mexi uma palha quando ele disse aquilo, estava determinada a deixá-lo esperar. A minha amiga que tem medo dele (epah desculpem, mas ter medo do próprio namorado não é para mim). Vira-se para mim e diz em português "olha é melhor irmos embora se não ele fica à espera e já sabes como ele é, vai ficar chateado e depois tenho que o aturar durante semanas".

 

Respirei fundo 10 vezes, contei até 100 mentalmente e despedi-me à pressa de toda a gente e lá fomos. E ele encostado ao carro de braços cruzados a olhar para o relógio a dizer que demorámos muito... disse mentalmente para mim própria "nunca mais me apanhas num jantar contigo". Nesse dia não disse nada, mas no dia seguinte, contra o pedido da minha amiga de não dizer nada, fiz questão de dizer-lhe que não gostei da atitude dele, que o carro era meu e que eu é que decidia quando voltávamos e que a forma como ele se foi embora foi uma falta de respeito para toda a gente.

 

Epah, saiu-me tudo que me andava a passar pela cabeça. Mas... isto correu mal, desde esse dia nunca mais saí com a minha amiga. Ou porque tem coisas para fazer com ele, ou porque ele é que tem o carro, ou porque isto ou aquilo. Há sempre uma desculpa. E todas as coisas que fizemos em grupo só veio ela. Ok, já percebi que o energúmeno não me quer ver. Tudo bem, concordo! Eu também não o quero ver nunca mais à minha frente. A merda da questão é que sinto que "perdi" a minha amiga. Moramos na mesma região, finalmente não estamos em países diferentes, e ele faz sempre alguma merda para que eu não a consiga ver.

 

Estou farta disto, às vezes acho que não devia ter aberto a boca. Mas porra, não podia ficar calada numa situação destas. Foi mais forte que eu. Hoje são ameaças e birras mas... e se amanhã ele lhe bate? Anseio pelo dia em que eles acabem e a minha amiga possa voltar a ser uma mulher livre para escolher os seus amigos. Acabei de escrever esta frase em vésperas de 2019, juro que isto não era um rascunho escrito em 1973.

24
Out18

Ao telefone com a minha mãe #7

Lembram-se do furacão Leslie, certo? O maroto, depois de passar em Portugal, veio fazer uma visitinha a França, com algumas inundações, destruições, feridos e outras coisas mázinhas que só um furacão sabe fazer.

 

Estava a falar com a minha mãe ao telefone sobre os estragos que o Leslie provocou no sul de França e ela sai-se com isto:

 

Mãe: Oh, fiquei triste por não ter sabido com mais antecedência que o furacão Leslie ia passar em França.

Eu: Então porquê mãe?

Mãe: Se soubesse tinha-lhe dado um Queijo da Serra para ele te entregar!

Eu:  

 

dESarrumada,

a ficar sem resposta desde 1991

 

 

 

 

 

Outros telefonemas épicos:

#1 A segurar a vela

#2 O panaché 

3# O estetoscópio 

4# O botão 

5# O cavalo manco

6# Isto é tudo muito bonito

 

 

 

Beijo na bunda! 

 

16
Out18

Onde estás amor?

Eu estava a entrar no metro.

Tu estavas na plataforma de embarque.

Os nossos olhares cruzaram-se.

Senti um arrepio na espinha.

Tu sorriste-me.

Eu devolvi-te o sorriso.

 

 

Começaste a levantar o braço na minha direcção.

Eu queria tanto tocar-te.

Mas a porta fechou-se de repente.

E nunca mais te vi.

 

 

 

Por favor, se estás a ler isto, contacta-me.

 

 

 

Tenho a tua mão direita.

 

 

15
Out18

Aquele orgulho macabro.

Imaginem uma pessoa que tem um filho bebé. Essa pessoa pensa que a criança não percebe nada do que ela diz. Digamos que essa pessoa tem o hábito de dizer "caralhos t'a fodam" a toda a hora. A todo e qualquer momento lá lhe sai essa pérola da boca, em frente à dita cuja criança.

Eis que o dia chega, o dia em que a criança, do nada, talvez num jantar de família ou no meio do supermercado, solta um alto e sonoro "caralhos t'a fodam" em frente a toda a gente. O progenitor, envergonhadíssimo, vai dizer ao filho "não digas isso, é feio!", virando-se para toda a gente com um "não sei onde é que ele aprendeu a dizer tal coisa!". Mas no fundo está super orgulhoso da criatura e até pensa bem forte "assim é que é, sai aqui ao paizinho/mãezinha!"

Hoje eu senti-me assim. Foi dia de avaliar uma estagiária de 2º ano que é uma fofa, mas ainda não sabe grande coisa. Eis que surge o momento em que ela faz um exercício igualzinho a um que eu faço todos os dias, com outro paciente, com outra patologia. Eu, orgulhosa da criatura, digo "oinnnn, esse exercício é excelente!", cá para os meus botões "caralhos t'a fodam, não era adequado para essa pessoa!".

14
Out18

Para todas as pessoas que andam por aí no dating.

 

Sigo o Matthew há imenso tempo. O conteúdo dele tem ficado cada vez melhor e não podia deixar de partilhar estes dois vídeos dele para quem anda aí no real dating ou no online dating. Ele tem tanta razão! Por estas e por outras é que decidi fazer uma pausa no Tinder e coisas do género.

 

 

E este vídeo estilo musical que me deixou viciada na música uns bons meses. O final é simplesmente priceless, you go girl!

 

 

 

  

Beijo na bunda 

09
Out18

Sobre os heterónimos da vida.

Como eu compreendo o Fernando Pessoa. 

 

Nesta coisa dos blogs nem sempre tenho vontade de ser a dESarrumada a tempo inteiro.

 

Há dias em que quero escrever artigos sérios sobre saúde. Outras vezes só quero escrever poesia e chorar com as palavras. Nunca estou constante e não o quero ser, nem na vida nem na escrita. Sou a instabilidade em pessoa, por vezes isso chateia-me, por vezes sinto-me reconfortada na ideia de saber que a vida muda de um dia para o outro. E que está tudo bem.

 

 

Sou feita de altos e baixos, de palavras inteiras, meias-palavras e leituras nas entrelinhas. Também gosto de fotografia, de fazer pesquisa, de ler livros, visitar lugares comuns. Nem sempre me apetece escrever com humor. Mas às vezes, muitas, demasiadas, só me apetece escrever treta, daí ter nascido este espaço.

 

linha_cardíaca.jpg

 

Compreendo o outro senhor que dividiu a sua escrita em várias personagens, conferindo a cada uma delas uma personalidade e história de vida diferentes. Eu também sou assim, eu também queria fazer isso. Sonho em ter um blog grande, seja lá isso o que for, e este projecto da dESarrumada já não me provoca batimentos cardíacos acelerados como antigamente. Tem sido uma vivência de quatro anos com muitas mudanças, minhas e no mundo dos blogs. Vi blogs chegar e desaparecer. Apaixonei-me perdidamente por uns, sentei-me no ameno das frases várias vezes, seguindo um caminho calmo sem muitos solavancos e também deixei muita gente partir. Fugi, perdi-me, também eu desapareci algumas vezes. Mas voltei sempre. Dizem que os blogs estão a morrer, mas eu continuo a gostar disto, muito. No entanto, também gosto de ajudar pessoas, na vida profissional e na vida pessoal. Gosto de vários assuntos, que nem sempre consigo exprimir aqui. E queria tanto, se o tempo disponível me permitisse, ter um blog para cada faceta da minha personalidade.

 

Tudo tem um início, um meio e um fim. E por aqui, creio que se entrou em fase terminal. Uma fase de cronicidade acrescida, onde a qualquer momento o monitor cardíaco que nos monitoriza a vida pode deixar de emitir um pi-pi-pi contínuo e uma linha com altos e baixos para passar a ser um longo piiiiiiiiiiii que acompanha uma linha plana. E eu adoro recomeços. Têm sabor a esperança, a sonhos, a partidas e regressos.

 

Por aqui agarro-me à vida bloguística com as forças que me sobram. Não sei por quanto mais tempo até começar um novo projecto. Obrigada a todos que têm visitado este blog nos últimos anos. Sem vocês isto não teria sido a mesma coisa. Espero ver-vos noutro endereço, um dia. Até breve.

 

adesarrumada@sapo.pt

05
Out18

Follow Friday | Para todas as solteironas, solteirões e os outros!

Epah, agora que recomecei isto da Follow Friday não quero outra coisa.

 

Hoje trago-vos o blog da LegoLuna. Um blog que já sigo há alguns aninhos e que tantas gargalhadas me tem proporcionado. Ela fala sobre ser solteira, ser mulher e desmistifica uns quantos disparates que vamos ouvindo por aí. Um blog diversificado que lemos sempre com um sorriso no rosto.


Dêem uma vista de olhos e vejam lá se o blog não é espectacular!

Ainda solteira

 

Beijo na bunda! 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O melhor comentário ganha um biscoito!

Desarrumações antigas

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D